Cabinda: Buco-Zau quer maior controlo sobre empresas exploradoras de madeira

Madeira (Foto: Angop)

Cabinda – Um maior controlo sobre as quantidades de madeira exploradas na região de Buco-Zau, província de Cabinda, vai ser exercido pela secretaria provincial de Desenvolvimento Económico e pelo Instituto do Desenvolvimento Florestal.

Madeira exploradas na região de Buco-Zau (Foto: Angop)
Madeira exploradas na região de Buco-Zau (Foto: Angop)

A medida, que inclui a aplicação de multas às empresas que abaterem arvores madeireiras com troncos de menor diâmetro, vem na sequência de uma recomendação do Conselho da Administração Municipal de Buco-Zau, que esteve reunido quinta-feira em sessão ordinária.

O comunicado final da reunião refere ter sido, também, recomendado ao Instituto do Desenvolvimento Florestal a intensificação da fiscalização nas áreas de exploração de madeira e não se limitar a fiscalizar na via pública.

No quadro desse controlo sobre a exploração de madeira, a reunião da administração de Buco-Zau decidiu a apresentação mensal de um relatório que deverá incluir croquis de localização das áreas de exploração de cada empresa operadora.

A reunião anuiu sobre a continuidade do trabalho de controlo aos garimpeiros de madeira para mitigar os efeitos negativos do fenómeno.

Quanto a secretaria provincial de Desenvolvimento Económico, foi-lhe incumbida o levantamento dos garimpeiros de ouro e outros recursos no município.

O comunicado refere que os participantes receberam informações sobre as propostas de urbanização dos bairros Lucucuto e Caio, da toponímia da vila de Buco-Zau, bem como da execução financeira do Programa Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Fome e à Pobreza.

Trata-se de dados referente ao primeiro semestre de 2015 e do Orçamento Geral do Estado (OGE) para o mesmo período.

Os trabalhos da segunda sessão ordinária do conselho do município de Buco-Zau foram orientados pela administradora Marta da Conceição Lelo. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA