Bié: Governo compromete-se a reforçar acções de luta contra a SIDA

Governador do Bié, Álvaro Manuel Boavida Neto (ANGOP)
Governador do Bié, Álvaro Manuel Boavida Neto (ANGOP)
Governador do Bié, Álvaro Manuel Boavida Neto (ANGOP)

O governador da província do Bié, Álvaro Boavida Neto manifestou, hoje, sexta-feira, a predisposição do seu pelouro no combate ao VIH/Sida, trabalhando com medidas preventivas, na transformação da consciência de cada cidadão, bem como na implementação de programas sociais que concorram para uma vida saudável das vítimas directas e indirectas da doença.

Álvaro Manuel Boavida Neto intervinha no seminário sobre experiência do Brasil e de Angola no âmbito do combate ao VIH/Sida, realizado quinta-feira, na cidade do Cuito, província do Bié, promovido pela Fundação Eduardo dos Santos (FESA), no âmbito 19º aniversário da organização e dos 73 anos do seu patrono.

O governante reafirmou ainda que o VIH/Sida continua a ser preocupação do Governo e dos parceiros sociais na província, facto que, acrescentou, coloca a região numa situação de alerta, para uma intervenção redobrada, visando prevenir a disseminação.

Para tal, afirmou a fonte, o gesto da FESA junta-se ao esforço do Governo da província, mormente no aumento e melhoramento técnico da capacidade de diagnóstico, com a existência de laboratórios modernos e aparelhos de CD4 nas unidades sanitárias.

Para o combate à pandemia, frisou ainda Álvaro Manuel Boavida Neto, a província possui Centros de Aconselhamentos e Testagem Voluntaria (CATV), aposta na formação contínua de técnicos, na implantação do programa do corte vertical, garantia de medicamentos anti-retrovirais aos doentes, assim como proporcionou a revitalização dos Comités de Luta Contra a Sida.

Apontou a pobreza, o analfabetismo, a prostituição, a elevada liberação e urbanização, o início precoce dos jovens à actividade sexual sem protecção, preconceitos, subvalorização sobre o risco da enfermidade, barreiras culturais e religiosas, práticas e comportamentos de risco no seio da população como factores que contribuem para o aumento da pandemia nesta parcela do país.

Para Álvaro Boavida Neto, o Governo, através do sector da Saúde e parceiros sociais, deve ampliar, cada vez mais, os programas de sensibilização sobre o risco da doença, mormente nas escolas, em igrejas, praças, instituições públicas, nas associações juvenis, entre outros locais de maior concentração populacional, na região.

Apelou para a necessidade da sociedade, essencialmente jovens, evitarem as acções que estimulem a propagação da SIDA, tais como o uso excessivo de bebidas alcoólicas e de drogas, relações sexuais precoces e ocasionais, promiscuidade no seio da juventude e o combate do estigma das pessoas doentes e viventes com a doença

O mundo, segundo o orador, ainda não descobriu a cura da SIDA, por essa razão, a tendência da situação é aumentar o número de pessoas contaminadas com o VIH/SIDA, daí a necessidade do redobrar esforços na educação das famílias para a prevenção.

Angola, salientou o governante, é um verdadeiro exemplo de luta pela erradicação da SIDA, sendo, neste momento, um dos poucos países na África subsariana com uma percentagem de sero-prevalência abaixo de 3,4 porcento e com um registo controlado, a nível do país.

A província do Bié testou, de Janeiro a Setembro do presente ano, nas diversas unidades sanitárias, 37 mil e 226 pessoas (gestantes, adultos e crianças), com 612 resultados positivos.

Em 2014, foram testadas, na região, 63 mil 513 pessoas (gestantes, adultos e crianças), destes mil e 50 obtiveram resultados positivos. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA