Bié: Governo aconselha pais a vacinarem filhos contra as doenças tropicais negligenciadas

Bié: Governo da Província (Foto: LEONARDO CASTRO)
Bié: Governo da Província (Foto: LEONARDO CASTRO)
Bié: Governo da Província (Foto: LEONARDO CASTRO)

O Governo da província do Bié, encoraja e apela os pais e encarregados de educação a levarem as crianças para as escolas, a fim de serem vacinadas e preveni-las contras as doenças tropicais negligenciadas, salientando que o preço da cura é mais elevado do que da prevenção.

De acordo com o comunicado, chegado hoje (quarta-feira) à Angop, assinada pelo vice-governador para esfera social e política do Bié, Carlos Ulombe Esperança da Silva, indica que os eventuais casos que surgirem como efeitos colaterais vão continuar a ser assistidos nas unidades sanitárias, que, acrescentou estão munidos de técnicos e medicamentos para qualquer situação.

O governo da província orienta que sejam realizados encontros de esclarecimento aos directores de escolas, professores, pais e encarregados de educação, comissões de moradores e autoridades tradicionais sobre a campanha e a necessidade de todos se engajarem para o êxito da mesma.

O governo da província orienta por outro lado, lê-se na nota, que as crianças só devem ser vacinadas na presença dos pais ou encarregados de educação e depois destes confirmarem que elas tomaram o pequeno- almoço.

Entretanto, o Governo, através do documento, recomenda a necessidade de todas as administrações municipais, a continuarem a apoiar incondicionalmente a campanha provincial de desparasitação escolar.

Os desparasitantes que estão a ser administrados, segundo o documento, foram comprovados como eficazes, seguros, não tóxicos, tem a sua utilidade válido, são gratuitos e estão em conformidade com as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A sua administração está ser feita por técnicos de saúde, munidos do protocolo internacionalmente aprovado, observando os princípios estabelecidos em relação a altura e o peso de cada criança.

Os comprimidos de prazinquantel, são sensíveis de efeitos colaterais, como enjoos, vómitos, dor de barriga e de cabeça, fraqueza, sabor amargo, sensação de cabeça vazia, principalmente quando os infantes estão em jejum.

Segundo ainda o informe, os efeitos colaterais surgem á quatro horas após a administração do medicamento e são transitórios.

A campanha provincial de desparasitação escolar, está sendo orientada pela Organização não-governamental “MENTOR INICIATIVE”, em parceria com o Ministério da Saúde.

Na província do Bié prevê-se desparasitar 543 mil 736 alunos do ensino primário e do primeiro ciclo do ensino secundário, com idades compreendidas entre 5 a 15 anos. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA