Bié: Governador reafirma reabilitação da estrada Cuito/Cuemba

Bié:Estrada Cuemba/Cuito (Foto: JILMAR ENOQUE)
Bié:Estrada Cuemba/Cuito (Foto: JILMAR ENOQUE)
Bié:Estrada Cuemba/Cuito (Foto: JILMAR ENOQUE)

O governador do Bié, Álvaro Manuel de Boavida Neto assegurou nesta terça-feira, no Cuemba, que o Governo angolano está engajado na reabilitação da estrada que liga o município do Cuemba e a cidade do Cuito (capital da província), sublinhando que a curto prazo a circulação de pessoas e mercadoria será melhorada.

O governante que falava no acto de inauguração do jardim denominado “ Estevão Calege”, realizado no âmbito das comemorações dos 40 anos da Independência Nacional, assinalar-se a 11 de Novembro, assegurou que, neste momento já encontram asfaltados apenas 20 quilómetros de estrada dos 164 do troço.

A recuperação daquele troço rodoviário, está a ser possível em função do programa gizado pelo Chefe de Estado, José Eduardo dos Santos, para que em tão pouco tempo, o investimento seja entregue definitivamente às populações.

Álvaro Manuel de Boavida Neto lembrou ainda que, todas às pontes do referido troço ao longo da via, foram já construídas, e acrescentou decorrem o processo de desminagem.

Prosseguiu ainda que, tão logo que termine as obras de asfaltagem do troço, poderá contribuir em grande medida no desenvolvimento dos municípios de Catabola, Camacupa e Cuemba, através da fluidez na circulação entre pessoas e bens.

Acrescentou que a melhoria da estrada entre Cuito e Cuemba, vai contribuir no desenvolvimento do corredor do Lobito, que dá aceso à vizinha província do Moxico, e deste modo impulsionar no melhoramento de condições de vida das populações.

Asseverou ainda, enquanto asfaltagem não chegue na sede municipal do Cuemba, o Governo da província do Bié, irá assegurar a circulação de pessoas e mercadorias, com a terraplanagem do troço.

Testemunharam o evento, administradora do Cuemba, Laurinda Kapocolola, o delegado do Interior, comissário Eduardo Fernando Cerqueira, membros do Governo, entidades tradicionais e religiosas e população no geral. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA