“As autoridades devem libertar os presos imediatamente e incondicionalmente”, Amnistia Internacional

Luaty Beirão (VOA)
Luaty Beirão (VOA)
Luaty Beirão (VOA)

A Amnistia Internacional renovou os seus esforços para garantir a libertação dos 16 activistas angolanos, incluindo o rapper Luaty Beirão, que está detido há mais de 100 dias.

Luaty está no seu 17º dia de greve de fome e o seu estado de saúde é muito critico.
Uma onda de solidariedade surgiu nas redes sociais, apelando à libertação do cantor, cujos órgãos estarão por esta altura a falhar.

O vice-director da Amnistia Internacional para a região sul de África, Noel Kututwa, diz que manter os activistas presos é “outra forma de intimidação por parte das autoridades angolanas, contra qualquer pessoa que tenha uma visão diferente do país.”

“As autoridades devem libertar imediatamente e incondicionalmente os activistas, que são prisioneiros de consciência e devem parar de intimidar activistas de direitos humanos”, acrescentou Kututwa.

Luaty que foi detido, juntamente com outros 15 activistas, sob acusação de golpe de Estado, foi levado para o hospital do estabelecimento prisional do São Paulo, em Luanda, mas já está novamente no Calomboloca.

Caso os activistas sejam condenados, eles poderão enfrentar 12 anos de prisão. (voa.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA