Angonabeiro cresce 25% em 2015

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

Empresa tem vindo a registar crescimentos de dois dígitos desde há três anos. Director-geral reitera desejo de comprar mais matéria-prima em Angola, alertando para as dificuldades com importações.

A Angonabeiro prevê atingir este ano uma facturação acima dos 30 milhões USD (cerca de 4 mil milhões Kz), um aumento de 25% face a 2014, avança o director-geral da empresa de cafés. José Carlos Beato, que falava ao Expansão, no final da semana passada, à margem da apresentação de Anselmo Ralph como embaixador da Delta Q, explica que a empresa tem crescido na ordem dos 20% nos últimos três anos e reforça que gostaria de comprar mais café em Angola.

A Angonabeiro, afirma, em parceria sobretudo com os supermercados Kero, Mega, Maxi, Shoprite e Deskontão, tem conseguido fazer chegar o seu produto a várias províncias, nomeadamente, Benguela, Huíla, Cabinda, Zaire, Uíge, Malanje, Lunda Sul e Cuanza Sul, para além de Luanda.

“Apesar da nossa vontade de crescer, ainda não há em Angola um alargamento de base de consumo do café”, afirma, sublinhando que, por isso, a companhia tem procurado fazer com que a marca “possa chegar a um maior número de pessoas, colocando-as a beber café”.

A Angonabeiro, afirma José Carlos Beato, continua a enfrentar dificuldades com a importação de café e outras matérias-primas, por causa da carência de divisas, que atrasa as transferências de dinheiro para o exterior.

“A nossa vantagem é que estamos a comprar produtos ao grupo Nabeiro [casa-mãe, em Portugal], que nos tem ajudado”, explica o gestor. “Temos estado a investir na economia angolana”, reforça o director-geral, que garante que a companhia terá de continuar a fazer importações, mesmo que “às vezes” não consiga fazer pagamentos ao exterior nos prazos desejados.

A empresa, com 105 funcionários, tem feito um esforço para que o café seja um produto de “mais fácil acesso, seja em cápsula, seja moído”. A ajudar ao negócio, revela, tem estado também o crescimento do sector de hoteleiro, e o surgimento de mais e melhores restaurantes. Anselmo Ralph é embaixador da Delta Q Na semana passada, a empresa nomeou o cantor Anselmo Ralph como primeiro embaixador da marca Delta Q em Angola.

O contrato é valido por dois anos e contempla um conjunto de acções que visam promover a marca. A marca espera, com a associação, “reforçar a relação de proximidade” com os consumidores.

“A sinceridade, a genuinidade e a dedicação do artista representam um exemplo para a juventude angolana – motivo pelo qual a associação surgiu de forma espontânea e natural”, explica o gestor, sublinhando que o café em cápsulas é “o maior negócio em termos de café” no País.

“Já estava na altura de termos um embaixador da marca e pensamos também que fazia sentido a marca dar um passo em frente, escolhendo [para embaixador] alguém que tivesse características que ajudassem a democratizar o acesso ao café”, explica.

Para promover a iniciativa, a Delta Q aposta numa campanha multimeios, cuja assinatura é Este café é um show. A Angonabeiro actua, desde 2000, no mercado angolano na área do comércio e da indústria, com as marcas de café Ginga e Delta, os produtos Adega Mayor e Agrodelta, a água Vimeiro e a cerveja Sagres.

Em Maio de 2001, inaugurou a fábrica da Estrada do Cacuaco, marcando a retoma da torrefacção do café e a recuperação da marca Ginga para o mercado angolano, permitindo a introdução da marca Delta em território nacional. (expansao.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA