Angola precisa de um Tocoismo forte e unido

Afonso Nunes, Bispo da Igreja Tocoista (Foto: Lino Guimaraes)
Afonso Nunes, Bispo da Igreja Tocoista (Foto: Lino Guimaraes)
Afonso Nunes, Bispo da Igreja Tocoista (Foto: Lino Guimaraes)

O bispo da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo no Mundo, Afonso Nunes, afirmou hoje, domingo, que Angola precisa de um tocoismo forte e unido.

O bispo fez este pronunciamento na homilia do culto de acção de graças alusivo ao 66º aniversário da primeira prisão do profeta Simão Gonçalves Toco na cidade de Leopoldville ( actual Kinshasa) pelas autoridades belgas que se assinalou no dia 22 do corrente mês.

De acordo com Afonso Nunes, a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo no Mundo ( Tocoista) como precursor da luta pela independência nacional tem a obrigação de divulgar a mensagem da paz, unidade e fraternidade a qual deve estar baseada no amor.

No sermão com o tema “a prova das nossa fé e a certeza da vitória em Deus” com base na Carta aos Romanos 8: 31-39, o bispo referiu que dada a trajectória desta congregação é mister que a mesma chame a atenção a todos os seus fieis para não se deixarem desviar por outras doutrinas.

Apelou na ocasião a todos os fieis a resolverem os problemas da congregação no seio da Igreja, e a deixarem de propagar a confusão no seio dos crentes como um dos pronunciamentos que se fez ouvir ultimamente o qual referia que esta agremiação religiosa tem três reconhecimentos jurídicos.

“ Quem afirma que a Igreja Tocoista tem três reconhecimentos jurídicos está a trair os ideais defendidos pelo Profeta Simão Gonçalves Toco porque ele sempre defendeu a unidade de todos os fieis”, sublinhou.

Em relação aos festejos dos 40 anos da independência nacional, o bispo Afonso Nunes, realçou que a luta por este bem tem vários actores tanto políticos como religiosos que em conjunto batalharam pelo mesmo objectivo.

Neste contexto apelou a todos os fieis da Igreja Tocoista a se fazerem presentes no culto de acção de graças alusivo a esta efeméride que se realizará no dia 8 de Novembro no Estádio 11 de Novembro em Luanda.

Na óptica do bispo tocoista não pode haver liberdade material sem primeiro haver liberdade espiritual, e por essa razão esta congregação continuará a desempenhar o seu papel na defesa da liberdade do povo angolano divulgando as sagradas escrituras.

A Igreja Tocoista assinalou no passado dia 22 de Outubro 66 anos da primeira prisão do Profeta Simão Gonçalves Toco, no então Ex- Congo Belga, actual República Democrática do Congo, em 1949, sob acusação de apregoar doutrina subversiva, que sob o reino de um novo Cristo derrubará as autoridades.

Entretanto, essa prisão do Profeta e seus seguidores foi o culminar de várias perseguições pelas autoridades coloniais belgas, e que depois decidiram expulsá-lo do território congolês para Angola, conforme o despacho governamental de 8 de Dezembro de 1949 que viria a se cumprir a 9 de Janeiro de 1950. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA