Ancara acusa Moscovo de violar espaço aéreo turco

(sputnik/ Dmitry Vinogradov)
(sputnik/ Dmitry Vinogradov)
(sputnik/ Dmitry Vinogradov)

A Turquia acusa os aviões russos de terem violado o espaço aéreo. Os caças turcos interceptaram, neste sábado, um avião de combate russo tendo obrigado a dar meia volta. O embaixador da Rússia em Ancara foi convocado pelas autoridades turcas.

Segundo Ancara, no passado dia 3 de Outubro, um avião de combate russo terá violado o espaço aéreo turco junto à fronteira síria. Mal se aperceberam da situação, as autoridades fizeram descolar dois F16 e obrigaram os intrusos a dar meia volta. O descontentes com a situação as autoridades turcas convocaram o embaixador russo na Turquia, como explica o comunicado do ministério turco dos negócios estrangeiros.

A Rússia deve evitar incursões

No documento pode ler-se que é pedido à Rússia para no futuro evitar qualquer incursão no espaço aéreo turco, sublinhando que Moscovo será responsabilizado por qualquer incidente que possa vir a acontecer. O comunicado precisa ainda que o responsável pela diplomacia turca se encontrou com o homólogo russo e com os parceiros da Nato para analisar esta questão.

Rússia e Turquia de costas voltadas

A Rússia e a Turquia defendem posições diferentes sobre a crise síria desde o início do conflito em 2011. Ancara exige, desde o início, a saída de Bachar al-Assad que beneficia do apoio de Moscovo. Segundo uma fonte oficial, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, vai encontrar-se com o ministro dos Negócios Estrangeiros turco para abordar a situação na Síria após a intercepção do avião russo no espaço aéreo turco. Entretanto e segundo o exército turco, dos caças terão sido “perseguidos” por MiG-29 não identificados, este domingo, junto à fronteira síria.

Novos ataques russos na Síria

Esta segunda-feira, a Rússia anunciou novos ataques aéreos em novos alvos da organização do Estado Islâmico na Síria. A ministra russa da Defesa, aviões SU-34,SU-24 e SU-25, realizaram vinte cinco saídas nas últimas últimas vinte e quatro horas. Os ataques destruíram um posto de comando na província de Hama, depósitos de munições, uma central de comunicações de Homs. Em Idleb foram destruídos veículos blindados e um posto de comando do Estado Islâmico, na província de Lattaquié.  (rfi.fr)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA