Alto e pára o baile: “Não vou governar com o programa do PS”, avisa Passos

Passos levou a discussão para outro tom (Armando Franca/AP)
Passos levou a discussão para outro tom (Armando Franca/AP)
Passos levou a discussão para outro tom (Armando Franca/AP)

Líder da coligação Portugal à Frente mantém a expectativa de ser convidado a formar governo e chama até si a condução do processo

Passos Coelho é claro: “Não vou governar com o programa do PS”. Menos de 24 horas depois do encontro com o PS, no Largo do Rato, o líder da coligação Portugal à Frente acusou o PS de estar a fazer “chantagem política” e deixou um aviso a António Costa: se for para continuar a jogar nos dois lados do zadrez – à direita e à esquerda – “talvez seja altura de pôr um ponto final naquilo que o país tem vindo a assistir de forma atónita”.

O líder do PSD, que falava à margem das reuniões preparatórias sobre o Conselho Europeu, tenta chamar até si a condução do diálogo entre PàF e PS, até porque é o líder do partido mais votado nas eleições de 4 de Outubr. Ora, por isso mesmo, e depois das duas tentativas adiadas de acordo com o PS, o líder da coligação PSD/CDS lançou um ultimato: admtiu que não tenciona ter mais “nenhuma reunião para fazer de conta ou simular que se está a alcançar algum resultado”, até porque o “PS não deu contributo nenhum”, afirmou. “Já tive duas e não tenciono ter mais reuniões a fazer e conta”, insistiu.

PàF e PS já reuniram duas vezes para tentar um compromisso que garanta uma solução de governo estável. Na sexta-feira (9), o líder do PS foi à São Caetano à Lapa, onde fica a sede do PSD, e acabou acusado por Passos de não ter levado qualquer proposta. Ontem foi a vez de Passos retribuir a visita com uma deslocação ao Largo do Rato, onde fica a sede do PS. Mas no final do encontro pareceu claro o clima de pré-ruptura. A coligação depois de enviar um “documento facilitador de um compromisso”, onde inclua propostas tiradas do programa do PS, esperava, segundo Passos, que o PS “apresentasse uma contraproposta”.

Mas mesmo com o impasse nas negociações – e os avisos de Costa de que está em melhores condições de formar um governo estável, não obstante a derrota nas eleições – Passos mantém a expectativa de vir a formar governo. E, por isso mesmo, deu um ‘chega para lá’ a Costa, que mantém reuniões com PCP e BE com vista a garantir apoio no Parlamento. “Dá a impressão que o PS ganhou as eleições e está a fazer diligências para formar governo”, observou. “Está na altura de dizer que o PS perdeu as eleições, cabe-lhe encarar isso com humildade e reconhecer os resultados eleitorais”, frisou o líder dos sociais-democratas.

“Não aceitarei que o país fique refém deste jogo, que não prosseguirá com o meu apoio”, reiterou Passos. “Não vamos virar o resultados das eleições”, acrescentou. (ionline.pt)

por Ricardo Rego

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA