Situação social da criança na província é estável

GUILHERME TULUCA - COORDENADOR DO CONSELHO PROVINCIAL DA CRIANÇA (Foto: Angop)

Huambo – A situação económico-social das crianças residentes na província do Huambo foi quarta-feira considerada estável pelo coordenador do conselho local da criança, Guilherme Tuluca.

GUILHERME TULUCA - COORDENADOR DO CONSELHO PROVINCIAL DA CRIANÇA (Foto: Angop)
GUILHERME TULUCA – COORDENADOR DO CONSELHO PROVINCIAL DA CRIANÇA (Foto: Angop)

Falando na II sessão ordinária do conselho, testemunhada por quadros seniores do departamento técnico de desenvolvimento social da África do Sul, o responsável salientou que o governo da província do Huambo continua empenhado na implementação e divulgação dos 11 compromissos a favor das crianças.

“Devemos admitir que ainda existe muito trabalho por se fazer em torno da promoção dos direitos da criança, dentro e fora das comunidades da província do Huambo, tendo em conta as dificuldades financeiras que o país atravessa, neste momento, impedindo o crescimento de muitas administrações nesta vertente”, justificou.

Disse que, apesar da situação financeira, ainda é possível fazer-se mais em prol do crescimento integral dos menores, assumindo que a província tem registado avanços significativos na execução das acções de atendimento aos direitos da criança.

Quanto a presença dos sul-africanos na sessão, Guilherme Tuluca informou que os mesmos pretendem adquirir experiências necessárias para a criação de um conselho idêntico de protecção e promoção dos direitos da criança naquele país, mais ao sul do continente africano.

Durante o evento, os participantes apreciaram e aprovaram a acta da reunião anterior, decorrida em Abril do ano corrente, foram apresentadas as actividades realizadas nos primeiros seis meses deste ano pelos coordenadores dos grupos temáticos, situação dos menores de zero aos cinco anos, dos menores de seis aos 18 anos de idade, bem como a sustentabilidade das conquistas a favor dos petizes. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA