Região Militar Norte abre ano de instrução 2015/2016

Uíge: Comandante da Região Norte quer formação contínua nas FAA (Foto: Angop)

Uíge – A Região Militar Norte das Forças Armadas Angolanas, que engloba as províncias de Malange, Cuanza Norte, Bengo e Zaire, abriu hoje, terça-feira,nesta cidade, o segundo período de preparação combativa e educativa – patriótica para o ano de instrução 2015/2016.

Uíge: Comandante da Região Norte quer formação contínua nas FAA (Foto: Angop)
Uíge: Comandante da Região Norte quer formação contínua nas FAA (Foto: Angop)

A cerimonia de abertura foi orientada pelo tenente general David Manuel Kavando e decorreu no Quartel General do Uíge.

O ano de instrução tem a duração de 10 meses e visa a preparação combativa educativa-patriótica, bem como elevar a capacidade das unidades e sub-unidades militares desta região, adequando-as às exigências e aos futuros desafios, de modo a serem capazes de reprimir qualquer agressão externa e socorrer a população em casos de sinistros e calamidades naturais.

De acordo com a mensagem do tenente general David Manuel Kavando, lida no momento da abertura do ano de instrução 2015/2016, os comandantes e chefes a distintos níveis têm a missão de elevar a prontidão combativa educativa, moral, cívica e patriótica do efectivo.

No decorrer do período de instrução, segundo a mesma directiva, é necessário que seja elevada a estabilidade psicológica e moral do pessoal nas aulas de preparação combativa, introduzindo situações de risco e difíceis, que exigem do efectivo esforços físicos e mentais, observando as medidas de segurança, além de concentrar esforços principais na preparação dos órgãos de direcção, com vista a alcançar os níveis exigidos de prontidão.

A instrução militar permite aos efectivos responder a qualquer eventualidade para a defesa da integridade territorial, esses conhecimentos, frisou o comandante, podem ser igualmente aplicados em diversos domínios da vida dos efectivos, principalmente no tocante à sua contribuição no processo de reconstrução nacional e desenvolvimento social e económico do país.

Segundo o oficial general , passados treze anos de paz, “não há dúvidas de que os efectivos das Forças Armadas Angolanas, no quadro da sua reedificação, necessitam de observar um vasto leque de conhecimentos teóricos e práticos, que lhes permitam exercer as suas obrigações com mestria e valentia”.

No compromisso de honra, o efectivo militar da Região Militar Norte deve elevar permanentemente os seus conhecimentos sobre a arte e ciência castrense, tendo em vista o domínio do armamento e técnica ao dispor, garantido, ao mesmo tempo, a sua regular manutenção, exploração e conservação, entre outras acções que visam lutar contra o analfabetismo, consumo de bebidas alcoólicas e doenças sexualmente transmissíveis nas unidades, estabelecimentos e órgãos das FAA.

O acto de abertura do ano de instrução 2015/2016 militar foi marcado com o desfile das tropas em paradas, em companhia de oficiais superiores a distintos níveis das forças armadas. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA