Polícia húngara entra em choque com refugiados na fronteira

(Getty Images)
(Getty Images)
(Getty Images)

Barrados na Sérvia, migrantes tentam romper barreira policial e são reprimidos com gás lacrimogéneo e jactos d’água. Governo envia Exército à região e anuncia nova cerca, desta vez na fronteira com a Croácia.

A polícia húngara usou nesta quarta-feira (16/09) gás lacrimogéneo e jactos d’água para impedir que refugiados entrassem no país através da fronteira com a Sérvia, que está fechada com uma cerca.

Os refugiados, que esperam seguir viagem em direcção ao centro da Europa desde a noite de segunda-feira, teriam jogado pedras e garrafas contra os agentes de segurança. “A multidão do lado sérvio se tornou agressiva”, afirmou um policial.

No local, entre 300 e 500 migrantes protestavam para a reabertura da fronteira. Um vídeo mostrou refugiados tentando abrir um portão na fronteira, antes do ataque da polícia. Pelo menos 20 bombas de gás lacrimogéneo foram lançadas contra os manifestantes, entre eles havia também crianças. Não há informações sobre feridos no confronto.

A polícia pediu reforço para conter a multidão que tenta entrar no país. “A polícia está protegendo a fronteira da Hungria e da União Europeia”, disse um agente de segurança. Militares armados foram deslocados para a região.

Após a confusão, o governo húngaro informou que fechou por 30 dias os dois postos de controle na fronteira com a Sérvia, nos quais os migrantes podiam ter acesso legal ao país.

A Amnistia Internacional afirmou que a condição dos migrantes que foram barrados na região é “abismal e está se deteriorando rapidamente”. Os refugiados estão dormindo a céu aberto, próximo a uma rodovia, e tem acesso limitado à comida, água e banheiros.

Mais um muro

Além de fechar os postos de controle, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, afirmou que pretende construir uma cerca em alguns pontos da fronteira com a Croácia, similar à erguida na fronteira com a Sérvia, para evitar a entrada de migrantes ilegais no país.

“Nós decidimos construir também uma cerca na fronteira com a Roménia”, acrescentou Orban.

Desde o fechamento da fronteira húngara com a Sérvia, centenas de refugiados se dirigiram à Croácia. Muitos esperam cruzar o território esloveno até a Áustria para chegar à Alemanha e a outros países no Oeste e no norte da Europa. O governo croata declarou que permitirá a passagem dos migrantes pelo país.

ONU condena violência

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou a violência contra os migrantes e pediu que os direitos dos refugiados sejam respeitados.

“Fiquei chocado em ver como esses refugiados e migrantes foram tratados, isso não é aceitável. Eles devem ser tratados com dignidade humana”, disse Ban.

A Sérvia também censurou a repressão de refugiados com gás lacrimogéneo e jactos de água em seu território. “Isso foi jogado do outro lado da fronteira e nenhum Estado tem o direito de fazer isso”, disse Aleksandar Vulin, o ministro sérvio encarregado de questões migratórias. (DW)

CN/rtr/afp/dpa/lusa

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA