Passos e Costa estão a treinar para serem genuínos no debate

(D.R)
(D.R)
(D.R)

Principais candidatos não querem parecer artificiais e estão mais preocupados em conhecer os temas e em não errar no discurso do que com a imagem. Haverá uma questão no debate sobre o caso Sócrates

Ser “genuíno”, estar bem preparado nos dossiês e não cometer erros. Embora se espere divergência em vários assuntos, a estratégia de Passos Coelho e António Costa para o debate de amanhã em três televisões generalistas tem muito em comum.

O primeiro-ministro terá antes do debate uma reunião com os seus colaboradores mais próximos, em que ouvirá pessoas como o seu assessor político, Miguel Morgado, e o seu assessor de imprensa, Rui Baptista.

Fonte social-democrata explicou ao DN que Passos Coelho “não irá treinar o olhar para as câmaras, pois a ideia é parecer o menos forçado e mais genuíno possível”. Como preparação, além da reunião, a equipa de Passos prepara um documento (“uma espécie fact sheet”) que não será tanto sobre os dossiês governamentais (“esses ele domina”), mas sobre “o que António Costa tem dito, quem são os entrevistadores, que tempo terá de debate e informações desse género”, explicou a mesma fonte.

Outra fonte social-democrata lembra que “no tempo do Miguel Relvas havia media training em algumas situações na São Caetano antes do debate, com painéis de simulação, com ex-jornalistas e bloggers a fazerem questões a quem ia ser entrevistado. Fosse o Passos ou outro candidato”. Fonte próxima do primeiro-ministro recusou, no entanto, que este sistema esteja agora a ser utilizado. (dn.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA