“Ninguém pode perdoar regime de Assad”, diz líder opositor sírio

(AFP)
(AFP)
(AFP)

O líder da oposição síria no exílio, Khaled Joya, disse nesta segunda-feira que “ninguém pode perdoar” as violações aos direitos humanos cometidas pelo governo de Bashar al Assad.

“O que ocorre na Síria é um extermínio que acontece diante dos olhos do mundo”, afirmou Joya, presidente da Coligação Nacional Síria, durante uma conferência sobre as bombas utilizadas pelas forças armadas de Assad organizada à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas.

“Cerca de 95% das pessoas mortas pelos bombardeamentos aéreos de Assad são civis. Acham que o regime combate o (grupo jihadista) Estado Islâmico? As estatísticas dizem outra coisa” – acrescentou.

Joya pediu à comunidade internacional que actue para “evitar um novo Ruanda”, que anos atrás viveu um genocídio.

“A primeira medida a ser tomada é parar os bombardeamentos aéreos do regime sírio. A comunidade internacional deve implementar uma zona de exclusão aérea na Síria”, insistiu Joya. (afp.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA