Namibe: Responsável advoga criação de micro e pequenas empresas no sector das pescas

Barcos de Pesca (Foto: Joaquina Bento)
Barcos de Pesca (Foto: Joaquina Bento)
Barcos de Pesca (Foto: Joaquina Bento)

O presidente da Associação Provincial de Pesca, Mário Farias, afirmou que o desenvolvimento do sector das pescas no Namibe passa pela criação de micro e pequenas empresas da pesca artesanal e semi-industriais, para capitalizar a classe empresarial e alavancar a principal economia da província.

Falando à Angop hoje, terça-feira, o responsável disse que as micro e pequenas empresas são pontos de partida para se atingir patamares mais altos de desenvolvimento de um determinado sector e as pescas não fogem a regra.

“Com as micro e pequenas empresas estaremos a alargar muito mais e cobrir tudo que é o mundo das pescas na província”, disse.

Salientou que doravante, o sector das pescas pode recuperar o auge que anteriormente havia atingindo, caso haja concessão de créditos bonificados a nível dos bancos e alguns apoios ligados aos escoamentos dos produtos e subsídios que limitam custos elevados dos produtos.

Falando da restrição da captura da espécie do carapau que o Executivo angolano emanou, Mário Faria referiu que o mais importante para associação das pescas é a preservação da gestão das espécies (pescado).

“Fazer utilização dos recursos é a melhor forma. Vamos influenciar as autoridades governamentais no sentido de que não sejam utilizadas embarcações de grande porte, mas que se aposte na pesca artesanal e semi-industrial, com vista a preservar as espécies mais importantes do consumo humano”, enfatizou.

Quarenta empresas fazem parte da Associação de Pesca, representando noventa porcento das capturas, a nível da província do Namibe. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA