Moreirense confirma problemas do FC Porto fora do Dragão

(Francisco Leong/AFP )
(Francisco Leong/AFP )
(Francisco Leong/AFP )

“Dragões”, que estiveram por duas vezes na frente do marcador, voltaram a perder pontos fora de casa (2-2).

O Moreirense não melhorou o penúltimo lugar, mas pode ter ajudado a tirar o FC Porto do primeiro. A formação axadrezada conseguiu recuperar duas vezes de desvantagem para empatar com os “dragões” (2-2), em Moreira de Cónegos. A equipa de Julen Lopetegui sofreu golos em todos os jogos realizados como visitante nesta temporada e, tal como nos Barreiros, voltou a pagar por isso. O Sporting, que hoje visita o Bessa, pode aproveitar para passar para a frente do campeonato.

Houve mérito do conjunto de Miguel Leal — que somou o segundo ponto na Liga — na capacidade de reacção à adversidade e o contrário do FC Porto, que controla a posse de bola, mas não é mandão, mostrando novamente incapacidade para “acabar” com os jogos. E, tal como em Kiev, cedeu o empate no final do tempo regulamentar.

Com o duelo com o Chelsea à porta, Lopetegui só não mexeu na defesa, mas foi por aí que a sua equipa começou a tremer. Logo no minuto inicial, Iuri Medeiros desperdiçou um erro de Marcano, mas o jovem português emprestado pelo Sporting ao Moreirense não desaproveitou na segunda parte nova oportunidade de deixar mal vistos os centrais portistas.

Depois da boa entrada do Moreirense, foi uma arrancada de Maxi Pereira, em contraponto com a obsessão portista em jogar para os lados e para trás, que acordou o FC Porto para a partida. Sem criarem perigo de bola corrida, os “azuis e brancos” adiantaram-se aos 18’ com um bom golo de livre directo de Maicon, o segundo do central neste campeonato. Estreante a titular, Osvaldo, que alternou remates com perigo com outros desastrados, obrigou Stefanovic a uma defesa atenta aos 26’.

O Moreirense pouco fez até ao intervalo, mas igualou logo a abrir, graças ao talento de Iuri Medeiros, que abriu um buraco na defesa portista antes de finalizar com classe (50’), após uma combinação com Ramón Cardozo.

Stefanovic passou depois a ser a figura do encontro, ao resguardar o empate na sequência de remates na pequena área de Corona e Osvaldo. Lopetegui, que já tinha arriscado ao colocar o seu melhor marcador no banco, jogou tudo para tentar voltar à vantagem, trocando Marcano por Aboubakar. A opção deu frutos quando Corona aproveitou a sobrelotação na área e o pânico do Moreirense para fazer o 1-2 (79’), com o seu terceiro golo na Liga.

Com um “onze” em campo pouco rotinado, o FC Porto ficou partido. André Micael, quase em cima da linha, evitou o golo de Osvaldo e Casillas frustrou Luís Carlos antes de André Fontes vestir o fato de herói para os locais, aos 88’, quando o FC Porto já não contava ceder pontos. (publico.pt)

por Manuel Assunção

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA