Ministra da Cultura visita Aproveitamento Hidreolectrico de Lauca

Rosa Cruz e Silva – Ministra da Cultura (Foto: Joaquina Bento/arquivo)

A ministra da Cultura, Rosa Cruz e Silva, visitou sábado 12/9, o Aproveitamento Hidreolectrico de Lauca.

Rosa Cruz e Silva – Ministra da Cultura (Foto: Joaquina Bento/arquivo)
Rosa Cruz e Silva – Ministra da Cultura (Foto: Joaquina Bento/arquivo)

Durante a sua estada no local, a ministra, que visitou os diversos pontos da obra, recebeu informações detalhadas sobre o grau de execução da empreitada da parte do engenheiro Miguel Pedrosa. Rosa Cruz e Silva manifestou a sua satisfação com o andamento das obras, bem como o facto de ter encontrado no local, para além dos estrangeiros, muita mão-de-obra nacional, particularmente jovens.

Kwanza-Norte: Construção da barragem de Laúca (Foto: Pªedto Pªarenmte)
Kwanza-Norte: Construção da barragem de Laúca (Foto: Pªedto Pªarenmte)

Gravada entre as enormes colinas que configuram a região montanhosa do Cuanza Norte, a Barragem de Laúca, terceira em construção no leito do rio Kwanza, depois de Cambambe e Capanda, está a ser erguida à base da técnica de betão compactado com cilindro, na comuna de São Pedro da Quilemba, município de Cambambe, 280 quilómetros de Luanda e terá uma albufeira de 188 quilómetros quadrados.

Até a realização do desvio do rio, a 4 de Setembro de 2014, pelo menos 25 porcento da obra já estava concluída e consistiu na escavação dos túneis de acesso, tomada de água, e foram escavadas seis milhões de metros cúbicos de rocha a céu aberto, 1,6 milhões de metros cúbicos de escavações subterrâneas, 2,5 milhões de metros cúbicos de betão compactado com cilindro e 500 mil metros cúbicos de betão convencional.

Em construção desde 2012, as obras compreenderam também a escavação para encontro das margens esquerda e direita do Rio Kwanza, escavação da tomada de água, início das escavações da casa de máquinas onde vai ser feita a geração de energia eléctrica e o aterro da subestação, que vai permitir levar a energia para vários pontos do país.

Após a conclusão das obras, em Setembro de 2017, a Barragem Hidroeléctrica de Laúca vai contar com duas centrais de produção de energia. A primeira é constituída por seis turbinas do tipo Francis Vertical, que vão produzir um total de dois mil e quatro megawatts (MW), correspondente a 334 MW cada.

A segunda inclui uma central ecológica com capacidade de produzir 65 MW. A referida estrutura vai manter um caudal mínimo no leito do rio para garantir a preservação das espécies aquáticas.

Em termos de infra-estruturas de suporte, o empreendimento possui um alojamento para cinco mil pessoas, uma lavandaria industrial com a capacidade de mil 800 peças vestuário por dia, um refeitório para 18 mil refeições diárias e um posto médico ambulatório.

Laúca é um projecto que dá uma oportunidade para várias áreas da construção civil, desde carpinteiros, pedreiros, engenheiros, arquitectos e até economistas. O projecto emprega actualmente quatro mil trabalhadores, dos quais 93 porcento são angolanos. Até Outubro de 2015 este número deverá subir para aproximadamente cinco mil.  (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA