Jornalistas da AFP são agredidos por soldados israelitas na Cisjordânia

Sede da Agence France-Presse, em Paris (AFP)
Sede da Agence France-Presse, em Paris (AFP)
Sede da Agence France-Presse, em Paris (AFP)

Dois jornalistas da AFP foram agredidos e ameaçados por soldados israelitas que destruíram seu equipamento nesta sexta-feira, em confrontos após o funeral de um palestino morto pelo exército na Cisjordânia ocupada.

Um cinegrafista da AFP, Andrea Bernardi, de nacionalidade italiana, foi jogado no chão e atingido no peito com uma arma. Ele foi mantido no chão, com um joelho comprimindo seu peito, até consegui mostrar um cartão de imprensa.

A cena, na aldeia de Beit Furik, perto de Nablus (norte da Cisjordânia), foi filmada e postada na internet por uma empresa local.

O cinegrafista da AFP sofreu contusões nas costelas e em um olho.

Os soldados israelitas apontaram suas armas para o cinegrafista e um fotógrafo da AFP palestino, Abbas Momani, que portavam um colete com a menção “press”.

Os soldados quebraram duas câmaras e apreenderam outra câmara e um telefone celular.

Os dois jornalistas estavam cobrindo os confrontos entre palestinianos e soldados israelitas quando foram atacados por soldados que lhes ordenaram a parar de gravar a cena.

AFP protestou junto ao exército israelita e indicou que irá apresentar uma queixa.

“Ações disciplinares serão adoptadas”, declarou à AFP o porta-voz do exército, o coronel Peter Lerner. “Os mais altos níveis de comando foram informados do incidente”, disse ele, acrescentando que isso inclui o chefe do Comando Central, responsável pelas forças israelitas na Cisjordânia ocupada.

O fotógrafo da AFP maltratado nesta sexta-feira, bem como um colega palestino, já haviam sido agredidos em 24 de abril por soldados israelitas que atiraram pedras contra eles. A cena também foi filmada.

O exército anunciou medidas disciplinares contra os soldados envolvidos, até a prisão militar.

Os incidentes entre palestinianos e soldados israelitas em Beit Furik ocorreram após o funeral de Ahmed Khatatbé, um palestino de 26 anos. Ele foi gravemente ferido ontem à noite por tiros do exército israelita perto de Nablus.

Ele havia lançado um dispositivo incendiário contra um veículo em uma estrada que leva ao grande assentamento judaico de Itamar, segundo o exército israelita. (afp.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA