Jogos Africanos: Ministros dos Desportos da União Africana felicitam organização congolesa

ATLETAS ANGOLANOS DURANTE O ALMOÇO NO RESTAURANTE DO COMPLEXO KINTELÉ DE BRAZZAVILLE. (Foto: Angop)

Brazzaville – A organização dos XI dos Jogos Africanos constitui uma “importante” contribuição do Congo no desenvolvimento do desporto no continente, consideraram esta quarta-feira em Brazzaville os responsáveis do desporto em África.

ATLETAS ANGOLANOS DURANTE O ALMOÇO NO RESTAURANTE DO COMPLEXO KINTELÉ DE BRAZZAVILLE. (Foto:  Angop)
ATLETAS ANGOLANOS DURANTE O ALMOÇO NO RESTAURANTE DO COMPLEXO KINTELÉ DE BRAZZAVILLE. (Foto: Angop)

Abordado pela Angop para fazer o balanço da reunião do sub-comité técnico especializado da União Africana, realizado no ministério dos Negócios Estrangeiros congolês, à margem dos Jogos do Cinquentenário, de 4 a 19 deste mês nesta capital, o Ministro da Juventude e Desportos, Gonçalves Muandumba, que o encontro foi “basicamente” realisado a propósito do evento que abre oficialmente hoje.

A reunião foi basicamente realizada a propósito dos XI Jogos Africanos. O representante do Congo prestou uma informação detalhada sobre a preparação e as condições criadas para a o evento, explicou o responsável angolano, tendo sublinhado que o Congo foi felicitado pelo trabalho feito.

“A Reunião apresentou as felicitações ao Congo pelas excelentes condições criadas. Construiu uma importante vila desportiva, que vai servir ao desenvolvimento do desporto no país e uma grande capacidade de alojamento. O governo e o povo, as autoridades congolesas foram felicitadas por esta contribuição que deram ao desenvolvimento do desporto em África”, declarou Muandumba.

Sublinhou a relevância deste enfoque recordando que os primeiros jogos se realizaram em Brazzaville em 1965, e 50 anos depois estão a fazer-se novos jogos nesta cidade para celebrar cinquentenário da existência deste certame pluridisciplinar continental.

O Ministro dos desportos angolano destacou ainda o tema sobre a dopagem, no qual os países foram instados a encetar um combate a todos os níveis, desde as escolas, aos e escalões de formação dos clubes, e a aderirem às convenções internacionais antidoping. No caso de Angola, Gonçalves Muandumba recordou que já aderiu desde o ano passado.

Ressaltou também o facto de ficar decidido que a organização dos jogos permanece com a União Africana com parceria técnica da ACNOA.

Em relação à atribuição da sede das edições seguintes (2019 e 2023) será alvo de consultas da UA aos países até Dezembro, mas o governante descatou já qualquer possibilidade de candidatura do seu país a sede dos próximos Jogos Africanos.

“Angola não é candidata. não se candidatou para albergar os jogos de 2019. Não está nos nossos programas, e não nos candidatamos”, declarou o titular dos dos Desportos à Angop.

Quanto à decisão de continuarem os Jogo sob a êgide da União africana após a dissolução há alguns anos do conselho superior dos desportos em África, Gonçalves Muandumba disse que “a essência eminentemente africana dos jogos deve manter-se”. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA