Importações de bens caíram 9,1% no primeiro semestre

(EXPANSAO)
(EXPANSAO)
(EXPANSAO)

Sentido semelhante tiveram as exportações, com uma queda muito maior de aproximadamente 50%, ao passar de 3,1 biliões Kz no primeiro semestre do ano passado para os 1,6 biliões Kz em igual período deste ano. A ‘culpa’ deste cenário é da queda do preço do petróleo no mercado internacional.

O valor aduaneiro dos bens importados por Angola no primeiro semestre deste ano caiu 9,1%, para 1,3 biliões Kz, contra 1,4 biliões Kz do período homólogo de 2014, de acordo com dados do comércio externo disponibilizados ao Expansão pela Administração Geral Tributária (AGT).

Estes indicadores estão muito longe das pretensões do Banco Nacional de Angola (BNA), que, recentemente, apelou para que as empresas e particulares reduzissem, em mais de 50%, a apetência pelos dólares para pagamentos ao exterior.

Sentido semelhante ao do valor aduaneiro das importações teve o das exportações, que com uma queda de quase 50%, ao passar de 3,1 biliões Kz no primeiro semestre do ano passado para os 1,6 biliões Kz em igual período deste ano.

Feitas as contas, o saldo da balança de mercadorias – valor aduaneiro das exportações menos importações – foi negativo na ordem dos -1,5 biliões Kz nos primeiros seis meses de 2015, contra os 674,8 biliões Kz de igual período do ano passado.

Olhando para os números da AGT, é fácil perceber que quer a queda das exportações e consequentemente da degradação da balança de mercadorias, quer a queda das importações, deveu-se ao ‘trambolhão’ na venda de petróleo ao estrangeiro, aliada ao baixo preço do produto no mercado internacional.

O valor aduaneiro dos óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, a mercadoria mais exportada nos primeiros seis meses do ano, caiu 53,1%, de 2,9 biliões Kz da estimativa do primeiro semestre de 2014 para apenas 1,3 biliões Kz este ano.

Os dados da AGT revelam que os óleos de petróleo não brutos foram o segundo produto mais exportado, com 82,9% do total, seguido dos diamantes trabalhados mas não montados nem engastados, que caíram 82,9%, e dos barcos faróis, barcos bombas, dragas e outras embarcações. Entre as principais mercadorias importadas destacam-se partes de máquinas de sondagem ou perfuração petrolífera com um contributo de 140,0 mil milhões Kz.

Registou-se uma redução de 46,4 na importação de óleos de petróleo. De destacar ainda a redução da importação de viaturas de 46,1% nos automóveis de passageiros, de 55,5% nos veículos para transportes de mercadorias e 43,5% na importação de veículos automóveis de transporte de 10 ou mais pessoas comparativamente ao mesmo período de 2014.

Entretanto, os dados da AGT sobre a importação de viaturas não convergem com os do Conselho Nacional de Carregadores que apontam para uma queda de mais de 76%, só no segundo trimestre deste ano.

China foi principal destino das exportações

A China manteve o primeiro lugar como mercado de destino das exportações angolanas, embora se tenha exportado menos que no ano passado (-51,5%) do total. Estados Unidos da América (-43,5%), Índia (-59,6%), Espanha (-42,8%), França (114,9%), Taiwan (-57,1%), Holanda (-42,8%), Portugal (-53,1%), Emirados Árabes Unidos (-3,8%) e África do Sul (-48,2%) completam o quadro dos dez principais países clientes das mercadorias angolanas.

As Alfândegas dão conta de que, durante o primeiro semestre deste ano, foram arrecadas receitas no valor aduaneiro de 168,5 mil milhões Kz, representando uma redução de 17,6% em relação ao mesmo período de 2014, em que haviam sido obtidos 204,4 mil milhões Kz. Isenções ultrapassaram os 39 mil milhões Kz Cerca de 39,9 mil milhões Kz foi o valor das isenções concedidas às importações pelo Estado, durante o primeiro semestre deste ano, representando uma redução de 16,3% em relação ao período homólogo do ano passado, em que as mesmas se fixaram nos 47,7 mil milhões Kz. Entre os beneficiários das isenções às importações estão as empresas petrolíferas, com 18,6 mil milhões Kz, o projecto Lianzi, produtos derivados do petróleo e os produtos da cesta básica.

Beneficiaram ainda a carga geral da província de Cabinda, à luz do estatuto especial, a importação de carapau e de matérias-primas para a construção de habitações sociais. (expansao.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA