Huíla: Autoridades de Quipungo cadastram terapeutas tradicionais

HUÍLA: MEDICAMENTOS TRADICIONAIS (Foto: Angop)

Quipungo – As autoridades sanitárias do município de Quipungo, na Huíla, reuniram-se segunda-feira com 60 terapeutas tradicionais daquela circunscrição, com objectivo de fazer o levantamento destes e fortalecer as relações de trabalho, em benefício da saúde nas comunidades.

HUÍLA: MEDICAMENTOS TRADICIONAIS (Foto: Angop)
HUÍLA: MEDICAMENTOS TRADICIONAIS (Foto: Angop)

Em declarações à Angop no final encontro, o director municipal da saúde de Quipungo, Joaquim André Francisco, referiu que o encontro visou fazer o seu levantamento, saber o tipo de tratamento que fazem, as plantas que usam, suas respectivas amostras, bem como criar melhor interação entre a saúde convencional e os terapeutas tradicionais, no sentido de estarem juntos e caminharem para o bem comum.

“Nós como saúde, cuidamos de vidas humanas, e eles são ervanários, por conseguinte também tratam de vidas humanas, foi mais uma conversa no sentido de estarmos juntos, e caminharmos para levarmos a bom porto a informação a cerca da saúde nas nossas comunidades, sobretudo na vertente preventiva”, esclareceu.

Manifestou-se preocupado pelo facto de alguns terapeutas tradicionais não reunirem condições de trabalho e manterem o paciente internado por muito tempo e frequentemente só os encaminham para unidades hospitalares em fase terminal, com problemas de intoxicação por influência da medição a que são submetidos.

“Lembro que a maior parte destes casos, em termos de estadia nas nossas unidades sanitárias, acaba por falecer em menos de 48 horas, dado ao avançado estado de intoxicação com que se apresentam”, lamentou.

Por outro lado disse que aproveitaram o encontro para pedirem aos terapeutas para se associrem na sensibilização das mulheres grávidas, visando terem os bebés nas unidades sanitárias de referência.

Segundo explicou os ervanários receberam a mensagem de forma positiva, e mostraram a disposição em colaborar com a medicina convencional, para em conjunto encontrarem um denominador comum. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA