Huambo: Empreendedores informais vão ser filiados na União dos Sindicatos

Mercados Informais (Foto: Angop)

Huambo – Os empreendedores informais da província do Huambo, entre os quais vendedores em mercados e nas ruas vão ser filiados na União dos Sindicatos, para terem maior dignidade e protecção junto das comunidades e dos serviços de segurança social.

Mercados Informais (Foto: Angop)
Mercados Informais (Foto: Angop)

A informação foi dada a conhecer hoje, terça-feira, pelo secretário-geral da União dos Sindicatos – Confederação Sindical nesta província, Adriano dos Santos, ao confirmar a criação, em breve, de um órgão sindical para o efeito.

Sobre os trabalhadores domésticos, onde se verifica maior número de mulheres idas das zonas rurais, disse ser necessário que os seus patrões cumpram, regularmente, com a sua remuneração, de acordo o salário mínimo nacional, além de inscrevé-los na segurança social, como garantia da sua velhice.

“Existem pessoas que exercem actividades domésticas há mais de 30 anos e, como se não bastante, na mesma residência. Por isso é importante que se crie mecanismo para que depois da velhice não venha sentir-se prejudicada, uma vez que muitas patroas expulsam as domésticas depois de verem que já não conseguem efectuar um trabalho digno tal como antes”, explicou.

Ainda sobre os empreenderes informais, Adriano dos Santos disse que a União dos Sindicatos está, neste momento, empenhada na promoção de campanhas de sensibilização e mobilização dos mesmos, sobretudo no mercado da Quissala, “vulgo Alemanha”, um dos maiores a céu aberto no país.

Também reiterou mais trabalho para o aperfeiçoamento da batalha sindical, para uma melhor defesa dos interesses e direitos dos trabalhadores domésticos e empreendedores ambulantes, tendo em conta que a metodologia de funcionamento do sindicato confunde-se muitas vezes com a política.

Esclareceu que a União dos Sindicatos tem como objectivo continuar com os preceitos que motivaram a fundação da instituição, centrados no desenvolvimento de acções sindicais na perspectiva da promoção da unidade e da solidariedade entre os trabalhadores de todas as correntes sindicais para que tais acções sejam de forma concertadas.

Contudo, defendeu que cada instituição, sobretudo do sector privado, deve ter uma representação sindical, por constituir-se num importante órgão dentro da empresa no que diz respeito à conquista da dignidade laboral e a valorização do seu trabalho.

O secretário-geral da UNTA na província do Huambo apelou os trabalhadores a estarem mais unidos, de modo a tornar os órgãos sindicais mais fortes e solidários em defesa dos seus interesses.

A União dos Sindicatos – Confederação Sindical controla na província do Huambo mais de 28 mil associados, sendo o sector da Educação, com 21 mil, o que mais filiados tem na organização, fundada a 16 de Abril de 1960, no então Congo Leopoldivelle, actual República Democrática do Congo. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA