“Faltou um primeiro-ministro”, diz Louçã sobre o debate

(D.R)

Antigo líder do Bloco de Esquerda comentou o debate desta manhã.

(D.R)
(D.R)

O líder social-democrata referiu que a redução feita nos benefícios da educação e habitação no IRS estavam presentes no memorando que “obrigava a baixar esses benefícios”, sublinhando que o Executivo aliou dois objetivos: “combate à evasão fiscal e possibilidade de dar à classe média” a possibilidade de reduzir em diversos outros setores.

Foi na edição online do Público que Francisco Louçã comentou o debate radiofónico que esta manhã colocou Passos Coelho e frente-a-frente.

Num texto intitulado ‘Faltou um primeiro-ministro’, pergunta Louçã se “Passos e Costa responderam por Portugal?”, respondendo ele próprio logo de seguida: “Disseram o que tinham para oferecer e é pouco. Jogaram à defesa sobre o que interessa e ao ataque sobre o que conta menos”, criticou.

O antigo líder dos bloquistas fala ainda do que descreve como “momento fúnebre” em que se “esforçaram por matar o debate”, os dois candidatos “enredaram-se sobre as contas da Câmara de Lisboa, como se fosse uma jura pessoal”.

Louçã descreve a postura dos dois candidatos como em “piloto automático”, dizendo que Passos voltou a fixar-se no salvamento do país da “bancarrota”, algo que Louçã descreve entre parêntesis como “austeridade”, enquanto Costa bateu na tecla do “além da troika”, acrescentando entre parêntesis uma outra nota: “como se a austeridade não impusesse sempre continuar a escavar para sair do buraco, no dizer de um político deste século”.

No campo do “ponto forte” de cada candidato, Louçã considera que para Passos Coelho é o apoio de socialistas europeus a políticas de austeridade nos países mais pobres, enquanto para Costa o seu ponto forte é precisamente “o que Passos fez no Governo”, que o fragiliza.

“Costa oferece então obediência à Europa e um pouco de dinheiro para as pessoas. Passos não oferece nada porque está tudo no rumo certo. Respondem então a Portugal? Faltou um primeiro-ministro neste debate”, criticou o antigo deputado. (Noticias ao Minuto)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA