Exposição fotográfica radiografa vida e obra de Neto em Londres

(D.R)

Londres – Duzentas e 53 fotografias das diferentes etapas da vida e obra do primeiro Presidente e fundador da nação angolana, António Agostinho Neto, estão patentes desde hoje (quarta-feira), em Londres, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, para assinalar o 17 de Setembro, data que assinala o dia do Herói Nacional em Angola.

(D.R)
(D.R)

De acordo com uma nota de imprensa da missão diplomática em Londres, a exposição encontra-se no hall do edifício da Embaixada de Angola no Reino Unido e faz uma radiografia de António Agostinho Neto como um patriota convicto, político de rara dimensão, poeta maior e um esclarecido homem de cultura, além de estadista perspicaz e genial.

O documento refere que o acto retrata ainda o papel determinante e inolvidável do também chamado “Kilamba”, na luta pela libertação de Angola e contra a dominação estrangeira, onde o 11 de Novembro de 1975 é o marco mais importante dessa epopeia gloriosa.

Por ocasião desta data, a comunidade angolana no Reino Unido verga-se perante este “incansável servidor do povo, que reuniu virtudes superiores de um militante total, médico profundamente humano, chefe amigo, líder clarividente, enfim, um companheiro de todas as horas”.

Segundo a nota de imprensa da Embaixada de Angola no Reino Unido, ressalta-se que “36 anos após o seu desaparecimento físico, os ensinamentos de António Agostinho Neto continuam vivos na memória e prática quotidiana dos continuadores da sua obra imortal, particularmente do seu sucessor, o Presidente José Eduardo dos Santos, o Arquitecto da Paz e artífice número um do desenvolvimento do país”.

Sublinha que a aposta do Executivo, no sentido de fazer Angola crescer cada vez mais e continuar a distribuir melhor os seus rendimentos, o amplo diálogo com a juventude, com a mulher rural e com as forças vivas do país mostram que o legado de Neto é uma aspiração já enraizada na memória colectiva dos angolanos e que está a ser concretizada de modo gradual e consciente.

Para além da comunidade angolana, a exposição está exposta para estudantes dos diferentes níveis de ensino que procuram saber mais sobre a vida do poeta maior e o primeiro Presidente da República de Angola. (Angop)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA