EUA: Posicionamento do país em relação às questões internacionais torna-o bastante atractivo – Georges Chikoti

Ministro das relações exteriores,Georges Chikoti, encontra-se com se homólogo de Portugal (Foto: Pedro Parente)
Ministro das relações exteriores,Georges Chikoti, encontra-se com se homólogo de Portugal (Foto: Pedro Parente)
Ministro das relações exteriores,Georges Chikoti, encontra-se com se homólogo de Portugal (Foto: Pedro Parente)

O posicionamento de Angola, quer no contexto africano como ao nível do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) no que toca ás questões internacionais, tem o tornado bastante atractivo enquanto actor no plano da politica internacional, de acordo com o ministro das Relações Exteriores, Georges Chikoti.

O ministro fez estas referências quando falava à imprensa em jeito de balanço dos encontros bilaterais mantidos hoje, domingo, na sede das Nações Unidas, com responsáveis da República Centro Africana, Sudão do Sul, Portugal, Croácia, Uruguai e Iémen.

Georges Chikoti disse que em relação ao primeiro encontro, com o ministro da República Centro Africana, Samuel Rangba, o trabalho foi de actualização, uma vez que este tem sido um dos países com os quais Angola tem estado a trabalhar no sentido do reforço da estabilidade interna, agora que estão a caminhar para as eleições.

“O ministro informou-nos dos últimos acontecimento, que não são muito encorajadores, mas esperamos que o processo de transição continue a caminhar bem e se realizem as eleições”, disse.

Já com Portugal, explicou este esteve no centro da conversa com o ministro Rui Machete questões bilaterais entre os dois países e a vontade de fazerem cada vez melhor.

Por sua vez, com o Sudão do Sul, através do ministro Bernaba Marial Benjamin, este país veio agradecer o apoio que Angola tem dado à República do Sudão do Sul, no âmbito dos Grandes Lagos, mas também ao nível do Conselho de Segurança.

“Este país está a viver um período difícil, depois de uma tentativa de golpe de estado e existem alguns países que gostariam de lhe aplicar sanções, mas o que se pensa é que há um governo legitimo que deve merecer todo o apoio e não o contrário”, argumentou.

No que toca ao encontro com a vice – primeira ministra da Croácia, Vesna Pusic, um país com o qual Angola tem estado a trocar um bom relacionamento, deu a conhecer que o mesmo pretende mandar para Angola, nos próximos tempos, uma missão empresarial.

Neste contexto, disse o ministro, está é uma oportunidade que será explorada, mas também ela pretende trabalha com Angola nas áreas do gás e petróleo, oportunidades que deverão ser aproveitadas.

Noutro encontro, com o ministro uruguaio das Relações Exteriores, Rodolfo Nin Novoa, a cooperação no domínio do Conselho de Segurança foi um dos aspectos de destaque.

“Este país se tornará um dos membros não – permanentes do Conselho de Segurança, no próximo mandato, dai se ter aproveitado a oportunidade para poderem coordenar sobre alguns aspectos de interesse para África e América Latina, bem como também no domínio bilateral”, referiu.

No essencial, acrescentou, “há uma boa concordância entre os dois governos, uma vez que este país possui já uma embaixada em Angola, facilitando ainda mais a relação”.

Noutra vertente, disse o ministro Chikoti, assumimos também o compromisso de uma maior troca de delegações nos próximos tempos.

Em relação ao último encontro do dia, o ministro explicou que com o seu homólogo do Iémem, Reyad Yassin Abdullah, este fez uma explanação sobre a situação no seu país, tendo Angola encorajado os esforços das Nações Unidas, que tendem a tentar trazer coordenação entre o governo golpeado e o movimento rebelde.

“Queremos esperar que a paz se consolide e fazemos votos que haja uma participação dos rebeldes também no próximo governo”, disse.

Com isso, argumentou Georges Chikoti, o balanço que nós podemos fazer dos encontros é reconhecer, de facto, o papel positivo que Angola tem estado a jogar em todas as situações ou de conflitos ou de áreas onde haja ainda alguma contribuição a fazer para a estabilidade e a paz. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA