Empreendedorismo é importante para o desenvolvimento económico – relatório

O ministro da Economia, Abraão Gourgel. (Foto ANGOP/Arq.)
O ministro da Economia, Abraão Gourgel. (Foto ANGOP/Arq.)
O ministro da Economia, Abraão Gourgel. (Foto ANGOP/Arq.)

Um relatório da Agência Africana de Consultoria em Comunicação, Djembe Communications, e da associação Forbes Insights revela que 55 porcento, dos mil angolanos inquiridos, com idades entre os 16 e 40 anos, acredita que o empreendedorismo tem um papel importante para o desenvolvimento da economia nacional, em termos de criação de emprego.

De acordo com o comunicado, a que a Angop teve acesso, 48 porcento dos inquiridos advogam que alargar o acesso à Educação e estreitar a lacuna de competências técnicas, são a chave que impulsionará a criação de emprego para os jovens africanos, seguida dos avanços tecnológicos (33 porcento) e do empreendedorismo (31 porcento).

Os resultados revelaram, ainda, que cerca de 38 porcento acredita que o sector da Educação em Angola irá gerar a maior parte dos empreendedores, até 2020, seguido dos sectores da Agricultura e actividades agrícolas (37 porcento) e Recursos Naturais, 35 porcento.

O documento indica que 44 porcento dos inquiridos cita a criação de emprego como o tema nacional de maior importância, 51 porcento prefere iniciar o seu próprio negócio do que trabalhar para uma organização, 34 porcento advoga reinvestimentos nos recursos naturais, 32 porcento, em redes de apoio, 23 porcento, no governo e, também, 23 porcento são considerados impulsionadores do empreendedorismo

O relatório, intitulado “Criação de Emprego na África Subsaariana: Empreendedores. Governos. Inovação, “resulta de um estudo feito a quatro mil africanos, em quatro países: Angola, Ghana, Moçambique e Nigéria.

Os resultados foram apresentados numa mesa-redonda, que teve lugar, em Luanda, encabeçada por membros-chave do Executivo angolano, com especialistas da indústria regional e mundial, incluindo o ministro angolano da Economia, AbrahãoGourgel,

Fizeram ainda parte do encontro, Felix Bikpo, Director-Executivo do Fundo de Garantia Africano, José Severino, Presidente da Associação Industrial de Angola, Max Alier, representante residente do Fundo Monetário Internacional em Angola, e Luís Leitão, Director Executivo da Forbes/Angola.

“Estamos gratos pela pesquisa realizada pela Djembe Communications e a Forbes Insights”, comentou o ministro angolano da Economia, Abraão Gourgel, referindo: “Como diz o relatório, é crucial que Angola promova um ambiente que impulsione o espírito empresarial”.

De acordo com Abraão Gourgel, “estou convencido que esta é mais uma contribuição para promover uma cultura empresarial moderna e mais sólida, entre os nossos empreendedores, e uma atitude que poderá ajudar a gerar muitos novos empregos e acelerar a diversificação da nossa economia.”

Durante o evento, Mitchell Prather, Director-Gerente da Djembe Communications, afirmou que “entre os quatro países onde foram realizados inquéritos, os angolanos foram os que mais importâncias deram à Educação e ao próprio sector da Educação, no sentido de impulsionar a criação de emprego e de proporcionar o surgimento de uma nova geração de empreendedores angolanos, nos próximos cinco anos.

Segundo ele, estas tendências são indicativas de que os jovens angolanos apelam, cada vez mais, por infra-estruturas fortes, na área da Educação, de modo a que seja possível reduzir as lacunas em competências profissionais e tornar o campo de acção mais equitativo, e possam aceder aos empregos que estão, actualmente, a ser ocupados por expatriados ou, até mesmo, iniciarem o seu próprio negócio”.

Mais de metade dos jovens angolanos inquiridos (51 porcento) mostrou um interesse em formar o seu próprio negócio, mas referiu a corrupção e a falta de transparência nos negócios (42 porcento), bem como o acesso inadequado à Educação e à especialização profissional (32 porcento), como as principais barreiras ao empreendedorismo.

A Djembe Communications é uma agência de consultoria independente, pioneira no ramo em toda a África, cuja missão é tornar-se a parceira de eleição para a comunicação na África Subsaariana, combinando um know-how global com as competências do mercado local e soluções adaptadas e, assim, entregar os melhores serviços de consultoria aos seus clientes. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA