Em reunião, Cunha e Dilma conversaram sobre situação econômica do Brasil

( Valter Campanato/ Agência Brasil)
( Valter Campanato/ Agência Brasil)
( Valter Campanato/ Agência Brasil)

O presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), reuniu-se na tarde desta terça-feira (1) com a presidenta Dilma Rousseff no Palácio do Planalto para conversar sobre a situação econômica e a proposta orçamentária enviada ao Congresso.

“Foi uma conversa institucional. Ela me convidou para ir ao Palácio e aceitei normalmente, como farei sempre que for necessário”, disse Cunha. Esse foi o primeiro encontro entre os dois após Cunha anunciar, em 17 de julho, o rompimento político com o governo.

Eduardo Cunha informou que a presidenta detalhou a proposta orçamentária e que eles debateram a matéria, encaminhada ao Congresso na segunda-feira com previsão de déficit de cerca de R$ 30 bilhões. “Debatemos a peça orçamentária e a situação conjuntural do país. Tenho minha visão sobre o processo econômico que, às vezes, destoa um pouco da visão colocada pela equipe econômica”.

“A presidenta não me pediu nada. Foi uma conversa institucional e deixou o diálogo em aberto. Foi uma conversa sincera sobre a situação do país. Ela não me fez propriamente um pedido. Debateu a situação e me pediu apoio para que medidas possam ser tomadas, a fim de que possamos ter uma solução estrutural para o processo,” explicou o presidente da Câmara.

Para o presidente da Câmara, o objetivo de Dilma “foi discutir um problema que afeta as contas públicas do país, a fim de, politicamente, ter um canal aberto para dialogar nas circunstâncias necessárias”. Eduardo Cunha reafirmou que uma coisa é seu alinhamento político e outra é a institucionalidade. “Como presidente da Câmara, não posso me recusar a conversar com a presidenta da República.”

O deputado disse que também conversou com a presidenta sobre o projeto que trata da repatriação de recursos e que explicou os motivos pelos quais defende que a matéria seja de iniciativa do Poder Executivo, “uma vez que assim o projeto poderá ser encaminhado com urgência constitucional e ser votado rapidamente”.

Segundo ele, tendo origem no Legislativo, a matéria terá de tramitar por várias comissões e sua apreciação será retardada. Eduardo Cunha acrescentou que sua posição politica em relação ao governo não mudou com o encontro de hoje, informou Agência Brasil. (sputniknews.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA