Dólar passa dos R$ 4 e alcança maior cotação da história

(REUTERS/Ricardo Moraes)
(REUTERS/Ricardo Moraes)
(REUTERS/Ricardo Moraes)

O dólar saltava mais de 1%  nesta terça-feira e superava R$ 4, nível mais alto na história, com investidores apreensivos com a votação no Congresso dos vetos feitos pela presidente Dilma Rousseff e com a possibilidade de os juros subirem nos Estados Unidos ainda neste ano.

Às 11:22, o dólar avançava 1,55%, a R$ 4,0426 na venda, após atingir R$ 4,0530 na máxima da sessão, maior nível durante os negócios, superando a marca anterior de R$ 4 vista em outubro de 2002.

A moeda norte-americana também fortalecia intensamente contra as principais moedas emergentes, como os pesos chileno e mexicano.

“Essas dificuldades que o governo enfrenta no Congresso deixam o país quase ingovernável do ponto de vista fiscal”, disse o operador da corretora SLW, João Paulo de Gracia Correa.

Investidores temem sobretudo que o Congresso derrube o veto ao reajuste dos servidores do Judiciário, dificultando ainda mais o ajuste das contas públicas e alimentando apostas de que o país pode perder o selo de bom pagador por outras agências de classificação de risco além da Standard & Poor’s.

As preocupações seguiam fortes mesmo após o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, defender que esse veto deveria ser mantido.

O panorama externo tampouco ajudava o ânimo dos investidores. O dólar subia globalmente após uma série de integrantes do Federal Reserve, banco central norte-americano, ressaltarem que podem dar início ao aperto monetário ainda neste ano, depois de postergar na semana passada esse movimento em meio a preocupações com a economia global.

Segundo operadores, a alta do dólar nesta sessão era acentuada também por operações de compras automáticas para limitar perdas, conhecidas como “stop-loss”, ativadas pela disparada da moeda norte-americana. “É um movimento violento. Ninguém quer ser o último a comprar”, resumiu o operador de uma corretora nacional.

O salto da moeda dos EUA alimentava também nas mesas de câmbio que o Banco Central pode ampliar ainda mais sua intervenção, uma vez que cotações mais altas tendem a pressionar a inflação já elevada.

Na véspera, o BC realizou leilão de venda de dólares com compromisso de recompra, mas o dólar ainda marcou o segundo maior fechamento contra o real na história. E não anunciou leilão de linha para esta sessão até o momento.

“(Resta) ao BC achar alguma saída para conter a desvalorização do real, pois leilão de linha não faz mais preço”, escreveu o operador da corretora Correparti, em nota a clientes, Guilherme França Esquelbek.

O BC dará continuidade à rolagem dos swaps cambiais que vencem em outubro, com oferta de até 9,45 mil contratos, equivalentes a venda futura de dólares. (VOA)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA