Director da Total diz que Angola vai ficar sem petrolíferas se não reduzir custos

Petrolífera Total diz que há muitas empresas do sector a ponderar sair do país se o cenário mundial não mudar e perante as normas do Governo angolano (Foto: Martin Burea/AFP)
Petrolífera Total diz que há muitas empresas do sector a ponderar sair do país se o cenário mundial não mudar e perante as normas do Governo angolano (Foto: Martin  Burea/AFP)
Petrolífera Total diz que há muitas empresas do sector a ponderar sair do país se o cenário mundial não mudar e perante as normas do Governo angolano (Foto: Martin Burea/AFP)

Jean-Michel Lavergne, que lidera em Angola a maior petrolífera estrangeira, vai pedir reunião ao Governo para travar custos de regulação do sector

O director da maior petrolífera estrangeira em Angola vai solicitar uma reunião ao Governo para avisar que, se os custos de investimento não descerem significativamente, o país arrisca-se a ficar sem indústria do petróleo.

“Se não houver uma significativa redução dos custos, tudo vai parar”, disse o director-geral da Total em Angola, Jean-Michel Lavergne, em declarações à agência financeira Bloomberg, nas quais explicou que caso as condições não melhorem, a indústria petrolífera angolana “vai desaparecer”, partindo do princípio que o preço do barril de petróleo se mantém nos 60 dólares.

Em causa estão as várias medidas que o Governo angolano tem tomado nos últimos anos, que fizeram os custos de produção aumentar em 500 milhões de dólares por ano, disse Lavergne durante um fórum empresarial em Luanda, no qual anunciou que está pedida uma reunião com o Governo angolano para dar conta destas preocupações causadas pelos custos da regulação.

Em Junho, Angola ultrapassou a Nigéria enquanto maior produtora subsariana, tendo bombeado 1,77 milhões de barris por dia.
A Total é a maior produtora de petróleo em Angola, com cerca de 700 mil barris por dia, o que representa mais de 40% da produção do país.

Os poços de petróleo em águas profundas na costa de Angola têm um desenvolvimento muito caro, e a indústria precisa de preços entre 60 a 80 dólares por barril “para a operação fazer sentido”, disse Lavergne.

O preço do barril de petróleo ‘Brent’ está nos 50 dólares por barril, menos de metade do pico do ano passado, e as previsões apontam para um ligeiro acréscimo de preço no próximo ano.

As novas normas sobre as emissões o desperdício, aliadas aos preços baratos, significam que algumas companhias estão a pensar em sair do país, que se tornou o mais recente membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), em 2007, disse o director da câmara de comércio Estados Unidos – Angola, Pedro Godinho.

“Há muitas petrolíferas que estão a ponderar sair do país se o cenário mundial não mudar”, disse o responsável durante o evento em que participou também o director da Total em Angola, concluindo que a solução para a quebra nas receitas fiscais e consequentes dificuldades orçamentais “não é matar a galinha que põe os ovos de ouro”. (publico.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA