Circo francês em Luanda

(D.R)

Aventura e ousadia são as duas propostas que a companhia circense francesa de Fracto apresenta hoje, às 20h00, no Centro Cultural Brasil-Angola, em Luanda, com a exibição do espectáculo “Poça”.

(D.R)
(D.R)

O espectáculo, criado por Eric Longequel e Guillaume Martinet, que também são os seus protagonistas, pertence ao género do “novo circo”, que explora as técnicas do circo numa abordagem mais teatral, onde a qualidade do argumento dramático e o sentido da história contada importam mais que o aspecto espectacular das acrobacias.

“Poça”, informou a assessora cultural da Alliance Française de Luanda, promotora da actividade, é uma peça de malabarismo acessível a um público abrangente, tanto aos adultos como aos jovens e às crianças.

Noémie Sido adiantou que em “Poça” os malabaristas  criam regras para melhor transgredi-las. “O público tem determinadas expectativas sobre as quedas, a técnica e os objectos usados. Os artistas jogam com estas expectativas. Eles erram na coreografia ou inventam uma coreografia a partir de um erro. Os malabaristas recriam o espaço e invertem a lógica.”

“Poça”, disse, é apresentado no âmbito de uma digressão internacional nos centros culturais franceses do continente africano. As entradas, destacou Noémie Sido, são grátis. Antes do espectáculo, a organização   efectua  a recolha de alimentos não perecíveis para o Lar Kuzola.

A oficina de malabarismo  abre hoje, das 14h30 às 16h00, ée  dirigida aos praticantes de artes cénicas que pretendem adquirir os fundamentos da arte do malabarismo. A actividade é realizada no Centro Cultural Brasil Angola. A participação é grátis, mas com inscrições limitadas.

Com a duração de uma hora, o espectáculo, destacou Noémie Sido, faz parte dos projectos culturais da Alliance Française de Luanda, criados para aproximar mais os dois países, por meio das artes. A Companhia de Fracto é uma jovem corporação de circo fundada em 2008, que em 2013, a convite da Alliance Française de Luanda, apresentou a peça “Circuitos Fechados”, no Elinga Teatro. (jornaldeangola.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA