China disposta a auxiliar na formação de militares

Ministro da Defesa Nacional em Pequim (Foto: Eduardo Pedro)

A Universidade de Defesa Nacional da China, em Pequim, está disponível para colaborar com os estabelecimentos de ensino militar de Angola, garantiu ontem na capital chinesa, o director da instituição, Zhang Shi Bo.

Ministro da Defesa Nacional em Pequim (Foto: Eduardo Pedro)
Ministro da Defesa Nacional em Pequim (Foto: Eduardo Pedro)

“Vamos discutir a possibilidade de estabelecer acordos no domínio da formação de quadros que favoreçam as duas partes”, disse Zhang Shi Bo durante a visita que o ministro João Lourenço, efectuou àquele estabelecimento de ensino militar.

Zhang Shi Bo explicou que a missão principal da instituição é formar homens capazes para enfrentar, entre outros, as ameaças de guerra, o terrorismo e demais fenómemos negativos que pairam no mundo. A incidência, disse, recai na qualificação de altos oficiais militares e quadros com responsabilidades governamentais.

Além de recordar o histórico de instrução, que inclui jovens provenientes de países africanos,   Zhang Shi Bo falou de antigos estudantes que agora desempenham cargos de relevo nos seus países, como Joseph Cabila, actual Presidente da República Democrática do Congo.

Em resposta, o ministro João Lourenço agradeceu a disponibildade manifestada pela parte chinesa em cooperar e considerou a visita um passo para melhor conhecer os moldes em que é realizado a instrução militar para militares.

O ministro da Defesa sublinhou que a China é uma potência mundial devido à forte aposta na formação do homem e nos altos níveis do seu desenvolvimento tecnológico, sobretudo no sector da telecomunicações.
Criada em 1927, a Universidade de Defesa Nacional conta com mais de 500 docentes e forma, em média, 3.000 estudantes por ano.

Deste número, aproximadamente 400 são de origem estrangeira. A instituição tem intercâmbios com instituições congéneres internacionais e ministra cursos de comando de estratégia, estudo de defesa nacional e o curso de operações conjuntas. (Jornal de Angola)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA