Chegou o dia do dérbi

(Foto: Angop)

Depois de uma semana de ansiedade, eis-nos chegados a um grande momento de futebol nacional, Petro de Luanda e 1º de Agosto protaganizam hoje as 16h00, no Estádio Nacional 11 de Novembro, o dérbi mais mediatizado.

(Foto: Angop)
(Foto: Angop)

Aintermitente época do Petro de Luanda e do 1º de Agosto, de modo algum retira o prestígio ao clássico nacional, ainda mais, porque é o único do nosso futebol. Esta tarde às 16h00 no estádio 11 de Novembro, os maiores emblemas do Girabola vão em busca da vitória, único resultado capaz de orgulhar quem ficar com os três pontos.

Os tricolores entram em campo com menos nove pontos do que o seu arqui-rival, 42 contra 31, mas são tão favoritos quanto os militares. Nos chamados jogos grandes, o Petro de Luanda tem estado mais competitivo do que o 1º de Agosto, curiosamente, nenhum deles  venceu um adversário da mesma bitola, mas o 1º de Agosto perdeu mais vezes do que o Petro nos jogos chamados quentes.

A qualidade dos planteis é equivalente, o 1º de Agosto tem mais opções de qualidade na linha avançada, mas o Petro consegue disfarçar a visível retracção na pontaria afinada dos seus médios e quando estes estão desafinados os defesas aparecem para assinar o  “ponto”.

O clássico está na ordem de prioridade, disto não hajam dúvidas, mas o Sporting -Kabuscorp também merece ser realçado, vai opor duas equipas ansiosas em conquistar  os pontos necessários para alcançarem a melhor classificação possível.

Os “leões” estão aflitos, porque estão num degrau apenas acima da linha de água, e os palanquinos negam-se a declarar fracasso na luta pela reconquista do título, apesar de estarem atrasados. As duas equipas estão sob pressão,  têm todos os motivos para jogarem aberto e sem receios, os palanquinos que se ponham à pau, porque os leões costumam ser competitivos contra os grandes.

A corda já está ao pescoço do Sagrada Esperança, o bom futebol dos diamantíferos demora a dar bons resultados, é por isso que a equipa está na zona de despromoção.

O embate com o Desportivo da Huíla vem em pior altura para o Sagrada, pois os huilanos há muito aliviaram a pressão a que estavam sujeitos, até podem jogar para o empate, mas os lundas são forçados a ganhar, senão a esperança de manutenção pode começar a tornar-se um pesadelo.

O Progresso da Lunda Sul, tem feito por merecer o nome, porque no ano de estreia no Girabola apostou num plantel formado por jogadores com experiência de Primeira Divisão. O honroso sexto lugar, dá direito aos sambilas de receberem o Clube Recreativo da Caála (CRC) com os olhos fixos na vitória, um triunfo caseiro vai ser a continuação do bom desempenho competitivo da equipa.

O CRC vive verdadeiro período de bonança, as denúncias de corrupção feitas pelo presidente Mosquito e a limpeza no balneário, atiçaram o espírito de competição dos caalenses. A excelente recuperação efectuada,  permitiu ao CRC saltar da última para a nova posição, um pulo tão grande que dá direito a equipa de ir a Lunda Sul também com o estatuto de favorito.

LUANDA E LUENA
Libolo e Benfica tentam manter posições

A luta pelo título, cada vez mais parece ser um direito exclusivo, do Recreativo do Libolo e do Benfica de Luanda. Libolenses e águias têm sido mais regulares do que a concorrência e merecem terminar no topo da classificação geral.

A caminhada do Libolo rumo à revalidação, passa esta tarde pelos Coqueiros, palco do embate com o ASA, às 15h30. O campeão perdeu algum fulgor antes da paragem do campeonato, agora tem de provar que está mais bem recuperado e com fôlego, para voltar a correr com regularidade para a consagração.

Os aviadores estavam sem combustível suficiente para sair do solo, mas contra todas as expectativas corrigiram o que estava mal, é por isso, que são uma das sensações da segunda volta.

Atento a um possível percalço do líder, o Benfica vai tentar fazer pela vida, para vencer fora do seu reduto o FC Bravos do Maquis. O triunfo sobre os maquisardes é fundamental para o voo da águia, senão as contas começam a ficar complicadas de fazer, afinal a partir de agora passam a faltar 15 pontos em disputa, equivalentes a cinco jornadas, muito pouco para quem ambiciona ser campeão.

O Maquis está na penúltima posição, por causa da crise financeira em que se encontra, os cofres vazios estão a influenciar pela negativa o desempenho maquisarde. Antes da crise, a equipa caminhava tranquila, mas agora está num ponto em que parece não ter volta.

O Interclube esticou demais a corda, mas esta não rebentou. A entrada do técnico Vesko mantém os polícias no pelotão da frente. Esta tarde, às 16h00 no 22 de Junho, a equipa tem um duro teste com a Académica do Lobito, um adversário muito indesejável, porque ganhou um gosto especial de vencer aos grandes. (Jornal dos Desportos)

DEIXE UMA RESPOSTA