Burkina Faso: Primeiro conselho de ministro começa nesta sexta-feira

MICHEL KAFANDO - PRESIDENTE INTERINO DO BURKINA FASO (Foto: Sia Kambou)

Ouagadougou – O primeiro conselho dos ministros pós golpe fracassado no Burkina Faso começou em Ouagadougou hoje, sexta-feira, de manhã sobre forte medidas de segurança.

MICHEL KAFANDO - PRESIDENTE INTERINO DO BURKINA FASO (Foto: Sia Kambou)
MICHEL KAFANDO – PRESIDENTE INTERINO DO BURKINA FASO (Foto: Sia Kambou)

O governo de transição restaurado após o fracasso do golpe reuniu-se com o Primeiro gabinete do Primeiro-ministro, no centro da cidade e não no palácio presidencial no distrito de Ouaga 2000, como de costume.

A 16 de Setembro, em pleno conselho de ministros para a presidência, os soldados do Regimento de Segurança Presidencial (RSP), cujo acampamento fica ao lado da presidência, fizeram irrupção, tendo feito refém o presidente e o governo, dando início ao golpe, oficialmente pronunciado no dia seguinte.

Antes do início do conselho desta sexta-feira, o presidente de transição, Michel Kafando, o Primeiro-Ministro, Isaac Zida e o Presidente do Conselho Nacional de Transição (parlamento) reuniram-se durante uma hora.

Em seguida, os ministros entraram na sala onde estava a ser realizada o conselho, o tenente-coronel Zida, antigo do RSP em desacordo com os seus ex-colegas, foi a busca de Kafando, que entrou sob aplausos.

O golpe foi abortado quarta-feira quando as unidades legalistas mudaram-se para a capital para se opor à RSP, após a violência que fez pelo menos 10 mortos e mais de 100 feridos durante a repressão das manifestações hostis contra o golpe de Estado.

As autoridades da transição restauradas devem expressar uma opinião sobre o futuro da RSP e o calendário eleitoral. Inicialmente, as eleições presidenciais e legislativas foram agendadas para 11 de Outubro para terminar esta transição, nascida do golpe em Outubro de 2014 do Presidente Blaise Compaoré, após 27 anos à frente do país.

Compaoré foi deposto durante manifestações de rua contra uma modificação da Constituição para permitir que ele permaneça no poder. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA