Breno Altman: Política dos EUA na questão palestina mantém “apartheid sionista” de Israel

(AFP 2015/ THOMAS COEX)
(AFP 2015/ THOMAS COEX)
(AFP 2015/ THOMAS COEX)

Em entrevista à Sputnik, o jornalista falou sobre o mal-estar do governo brasileiro diante da possível nomeação de Dani Dayan para o cargo de embaixador de Israel em Brasília, sobre as perspectivas para a criação do Estado palestino e sobre a influência do lobby sionista de Israel na política externa norte-americana.

No último domingo (20), a Presidenta Dilma Rousseff notificou o governo de Israel sobre seu mal-estar em relação à possível nomeação de Dani Dayan como novo embaixador em Brasília. O designado vive num assentamento judaico na Cisjordânia, território que o Brasil reconhece como palestino, e foi dirigente da principal organização dos colonos israelenses.

Neste sentido, a nomeação de Dayan foi criticada por mais de 40 organizações brasileiras, além de deputados e setores moderados da sociedade israelense, pela forte resistência que o ex-dirigente dos colonos traria para a questão da criação do Estado Palestino, bandeira abertamente apoiada pelo Brasil.

Breno Altman, jornalista e diretor do site Opera Mundi, falou com exclusividade à Sputnik sobre o episódio, a posição do governo brasileiro diante da questão palestina e a influência do lobby sionista de Israel na política externa norte-americana.

A seguir, a entrevista na íntegra.

Sputnik: Por que esse mal-estar do governo brasileiro em relação à possível nomeação de Dani Dayan, e qual será o impacto disso nas relações entre Brasil e Israel?

Breno Altman: São dois os motivos do mal-estar. O primeiro, de mérito: ao indicar um conhecido líder dos territórios ocupados para uma posição na diplomacia de Israel – ainda mais num país cujo governo tem posições claramente favoráveis ao Estado da Palestina, e que, portanto, luta contra a ocupação desses territórios –, há aí uma ação de provocação com o governo brasileiro. Ou seja, é evidentemente uma ação de conflito com as posições conhecidas do Brasil nesse tema.

Há também um problema de forma: o governo de Israel, ao invés de fazer tramitar pelos canais diplomáticos a indicação do embaixador, para que então pudesse ser decidida a concessão da carta diplomática pela Presidente Dilma Rousseff, o governo de Israel primeiro plantou a informação, transformou num fato público, sem ter tido sequer o cuidado de indicar formalmente Dani Dayan para a posição de embaixador, ou seja, de indicar através dos canais diplomáticos regulares, conforme determinam as convenções internacionais.

S: Qual é sua perspectiva para a eventual criação de fato do Estado palestino?

BA: Isso é um processo longo, que no fundo tem que vencer a resistência de uma poderosa aliança entre Israel e o lobby sionista nos EUA. Israel, efetivamente, não deseja a criação do Estado palestino e busca prorrogar essa decisão o máximo possível.

Particularmente o governo atual da direita israelense, capitaneado por Benjamin Netanyahu, deseja uma solução política de anexação, ou seja, anexar os territórios ocupados, propondo soluções em relação ao Estado palestino que são falsas, que jamais poderiam ser aceitas pelos palestinos. Ele propõe, no fundo, que se continue o processo de colonização nos territórios ocupados; ele retira cada vez mais terras dos palestinos; ele impede o acesso dos palestinos a redes fluentes de transportes e comunicações; controla parte das importantíssimas fontes de água.

Na verdade, Israel deseja manter os palestinos e os territórios palestinos anexados formal ou informalmente à governança israelense. Então esse é um processo duro, complicado, no qual a comunidade internacional dá passos lentos. Alguns países já reconhecem o Estado palestino como uma instituição oficial no seio das Nações Unidas, outros se unem a políticas de boicote contra a importação de produtos fabricados nesses territórios ocupados, mas a gente ainda não vê um movimento de envergadura suficiente para dobrar a resistência do Estado de Israel e do seu principal aliado, que é o governo norte-americano. Nós não temos ainda, por exemplo, um movimento como foi o movimento contra o apartheid, na África do Sul, como existiu nos anos oitenta e noventa, e que obrigou efetivamente, isto é, ajudou a desmontar de fora para dentro (além da resistência que havia na própria África do Sul) o sistema do apartheid.

S: Quais são os cenários possíveis para essa situação depois das eleições presidenciais norte-americanas?

BA: O lobby sionista em Israel tem influência sobre os dois grandes partidos – tanto sobre os republicanos quanto sobre os democratas. Vários importantes grupos sionistas vinculados ao Estado de Israel são financiadores importantes das campanhas de ambos os partidos. Agora, efetivamente, haverá ali – na disputa literal, independente de quem sejam os candidatos democratas e republicanos –, um conflito sobre a política do Oriente Médio. Não haverá alterações radicais se vencer um ou outro, mas há, efetivamente, diferenças e graduações.

Se vencerem as pré-candidaturas principais do Partido Republicano, como Donald Trump e Jeb Bush, se eles vierem a ser candidatos e um dos dois eventualmente vier a ser eleito presidente dos EUA, a política de aliança em relação a Israel vai se intensificar. Provavelmente o acordo que foi estabelecido com o Irã acerca da agenda nuclear pode ser rompido, e o governo dos EUA vai reforçar seu apoio à política da ultradireita sionista. Se vence uma candidatura como a de Hillary Clinton – e mais ainda se houver uma grande surpresa entre os democratas com a vitória do candidato mais à esquerda deles, o Bernie Sanders –, o que vai acontecer é um distanciamento em relação à ultradireita israelense e, portanto, maiores possibilidades de um acordo que permita finalmente o surgimento de um Estado palestino independente e viável. A eleição norte-americana é um terreno de disputa fundamental para o futuro da questão palestina. Não porque haja, repito, diferenças radicais sobre o tema entre republicanos e democratas, mas porque a diferença de gradação na aproximação com Israel de um ou de outro terá consequências sobre a resolução da questão palestina.

Sem mudar o papel dos EUA em relação à questão palestina, não vejo como seria possível emergir o Estado palestino. Enquanto os EUA derem apoio ao Estado de Israel, o Estado de Israel terá as condições políticas, econômicas e militares para manter sua política atual – a política do apartheid sionista. (Sputniknews)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA