‘Brasil deveria receber 50 mil sírios’

Expectativa é que Dilma fale sobre refugiados, tema sensível a Angela Merkel, em discurso na ONU (PR)
Expectativa é que Dilma fale sobre refugiados, tema sensível a Angela Merkel, em discurso na ONU (PR)
Expectativa é que Dilma fale sobre refugiados, tema sensível a Angela Merkel, em discurso na ONU (PR)

A presidente Dilma Rousseff deve aproveitar seu discurso na ONU nesta segunda-feira para abordar o tema dos refugiados sírios, que ganhou projeção com a comoção causada pela morte do menino Alan Kurdi, de três anos, afogado quando sua família tentava atravessar o Mar Mediterrâneo para chegar à Europa.

Dilma provavelmente lembrará que o Brasil é o país que mais recebeu sírios na América Latina. Segundo o Conare (Comitê Nacional para os Refugiados), foram 2.077 de 2011 até agosto. Para o professor de Relações Internacionais da FGV Oliver Stuenkel, porém, o país poderia receber muito mais.

Em um artigo recente para o jornal norte-americano The New York Times, ele defendeu que o Brasil deveria acolher 50 mil refugiados sírios. “Depois disso, recebi emails que me acusavam de querer importar o terrorismo para o Brasil. Mas essa acusação é fruto de ignorância e desconhecimento”, diz.

Stuenkel coordena a Escola de Ciências Sociais da FGV e o MBA em Relações Internacionais da instituição, além de ser membro do Global Public Policy Institute, em Berlim.

Em entrevista à BBC Brasil, ele explicou por que acredita que receber dezenas de milhares de sírios poderia trazer benefícios políticos e econômicos para o Brasil e sugeriu que a conta do apoio aos refugiados poderia ser paga por países que mantém suas portas fechadas. Confira:

BBC Brasil – O Brasil é o país que mais recebeu refugiados sírios na América Latina. Segundo o Conare, foram 2.077 até agosto. Em um artigo recente no New York Times o sr. defendeu que poderíamos receber 50 mil. Por quê?

Stuenkel – Aceitar refugiados é contribuir na provisão de um bem público global. Essa crise de refugiados é provavelmente a mais severa desde a Segunda Guerra Mundial. Além disso, haveria vantagens para o Brasil. Para começar, assumir um papel de liderança nessa área daria destaque ao país no cenário global.

Quando a economia brasileira ia bem, o país ganhou destaque negociando até acordos de paz no Oriente Médio. Com a crise interna, praticamente sumiu. Isso deixou na comunidade internacional a impressão de que o Brasil pode ser um ator global quando as coisas vão bem internamente, mas desaparece quando vão mal.

Uma atuação clara na crise dos refugiados poderia ajudar a reverter isso. E a um custo relativamente pequeno. Sendo um país de 200 milhões de habitantes, seria fácil absorver essas 50 mil pessoas. Também há algo que nem sempre é considerado nesse debate: receber esses refugiados poderia gerar um impacto positivo no médio longo prazo na economia do país.

BBC Brasil – Como assim?

Stuenkel – A Síria era uma economia relativamente bem desenvolvida antes der ser arrasada por esse conflito. E os refugiados do país são pessoas bem qualificadas, que podem contribuir em um momento em que a economia brasileira precisa de gente empreendedora e com capacidade de inovar.

O Brasil é um dos países mais fechados do mundo quando o tema é imigração. Só 0,3% das pessoas que vivem aqui nasceram em outros países. E desse contingente, metade está aposentado.

Em países da Europa os estrangeiros representam entre 7% e 20% da população. Nos EUA, o percentual é de mais de 10%. No Canadá e Austrália, 20%. Em todos esses países, os imigrantes e seus descendentes têm ajudado a impulsionar a inovação, o empreendedorismo e o crescimento econômico.

BBC Brasil – Há quem argumente que, se precisamos de trabalhadores qualificados, seria interessante educar mais os brasileiros em vez de trazer gente de fora…

Stuenkel – Investir em educação é crucial. Mas para se aumentar a qualificação e capacidade de inovação das pessoas precisaremos de mais de uma década. Os dois processos podem correr em paralelo. Até porque só aumentar a imigração não resolve o problema, dada a dimensão do país. No caso dos sírios, então, 50 mil seria uma gota no oceano.

Mas é preciso lembrar que os imigrantes também podem criar empregos. Eles chegam no país dispostos a arriscar e empreender. E não tem acesso ao setor público, onde o índice de inovação é baixo. Nos EUA, há muitos exemplos de grandes empresas fundadas por imigrantes ou seus filhos: Apple, Google, Budweiser, Colgate, eBay, McDonald’s, Walt Disney, Oracle, entre outras.

BBC Brasil – O governo brasileiro não impõe nenhum limite a vinda de sírios. Por que os números não são maiores?

Stuenkel – Não estou “cutucando” o governo brasileiro. De fato, esse limite não existe. A presidente deu um passo importante ao publicar, recentemente, um texto sobre o tema no jornal Folha de S.Paulo (em que defendeu a necessidade de medidas urgentes de solidariedade para ajudar os sírios e prometeu ampliar os esforços do Brasil para acolher refugiados).

Mas se ela se dirigir à imprensa e ao público internacional o impacto será maior. Dilma pode, inclusive, cobrar países ricos para que também recebam mais sírios.

No caso do Brasil, sabemos que o problema não é o preço da viagem, que muitas vezes custa metade do que as redes criminosas cobram para levar os sírios para a Europa. É claro que o fato de a Europa ser mais rica e oferecer mais apoio aos recém-chegados influencia a decisão dos refugiados.

Mas acho que também falta uma comunicação mais clara para informar aos sírios que eles podem vir ao Brasil. A maioria não sabe disso, segundo relatos que ouvimos dos que chegaram aqui. E também é necessário melhorar as estruturas para receber e apoiar essas pessoas no Brasil.

BBC Brasil – O que ainda precisa ser feito?

Stuenkel – Os lugares oferecidos pelo governo para abrigar os sírios são os mesmo usados pelos moradores de rua. Não acho que o governo deveria necessariamente custear algo melhor para os refugiados, especificamente, isso é complicado.

Mas eles precisam que haja uma maior agilidade na provisão de documentos para trabalhar, por exemplo, porque muitos chegam ao país com pouco recursos. Deixam tudo para trás e tem de trabalhar o mais rápido possível para sobreviver.

BBC Brasil – Os lugares nos abrigos públicos não seriam suficientes. Quem pagaria a conta do apoio aos 50 mil refugiados? Em um momento em que o país faz um ajuste fiscal, isso não seria complicado?

Stuenkel – Sim. Por isso o governo brasileiro poderia propor um projeto de cooperação trilateral com países com meios financeiros que não querem receber refugiados. China, Japão, e, sobretudo, os países do Oriente Médio que se recusam a receber refugiados, como Arábia Saudita e Catar, poderiam criar um fundo para financiar esse apoio.

Já temos exemplos de esquemas de cooperação trilateral desse tipo. Em Moçambique, por exemplo há projetos que recebem financiamento do governo japonês e aproveitam o conhecimento de especialistas brasileiros em agricultura e saúde pública, já que os moçambicanos enfrentam desafios semelhantes aos nossos.

BBC Brasil – Qual o risco do crescimento da xenofobia no Brasil?

Stuenkel – Tivemos o ataque aos haitianos (um motorista atirou contra um grupo de haitianos no Glicério, região central de São Paulo), mas esse foi um caso isolado. Não acho que haja o risco de uma onda de xenofobia no Brasil. Aqui não há xenofobia institucionalizada. Não temos partidos contra imigrantes, por exemplo.

Temos um problema grave de desigualdade e racismo, que pode afetar refugiados do Haiti e África, mas também temos um histórico interessante de integração de grupos diferentes em nossa sociedade. Até os anos 30, por exemplo, o italiano era amplamente falado em muitas regiões de São Paulo.

No caso dos sírios, também acho que o fato de termos muitos descendentes de imigrantes do Oriente Médio no país – e em todos os níveis da sociedade – facilita a integração. Em São Paulo, prefeito e governador são descendentes de árabes. Alguns refugiados sírios que eu conheci já estão falando português em três ou quatro meses.

Após publicar meu artigo no NYT, recebi emails que me acusavam de querer importar o terrorismo para o Brasil. Mas essa acusação é fruto de ignorância e desconhecimento. Na realidade, esses refugiados estão fugindo dos grupos radicais. E a integração e inclusão dos refugiados é o que ajuda a impedir a radicalização.

Hoje temos uma concentração dos refugiados em poucos países que não conseguem lidar com o problema. Turquia, Iraque, Jordânia e Líbano têm 3,6 milhões de refugiados que, muitas vezes, vivem em péssimas condições. Nesses lugares há, de fato, o risco de que se forme uma “geração perdida”, jovens que passem por exemplo, dos 20 aos 30 anos sem trabalhar. E é isso que pode aumentar a chance de radicalização.

BBC Brasil – Qual a possibilidade de uma ação internacional coordenada na Síria?

Stuenkel – O problema é que lado apoiar. No conflito sírio não há um lado “bom”. De um lado temos o presidente Bashar al-Assad, responsável por um número grande de mortes de civis. Do outro, o Estado Islâmico. Nesse contexto, receber refugiados é a única coisa a se fazer. Não resolverá o conflito, mas ajudará a melhorar a situação de milhares de civis.

BBC Brasil – Dilma foi acusada de se omitir em grandes temas internacionais e reduzir o perfil do país no cenário global. Houve mudança no segundo mandato?

Stuenkel – O Brasil continua com pouca visibilidade e expressão. Só que agora o problema já não é mais a inércia da presidente para temas internacionais, e sim a dúvida sobre ela conseguir se manter no cargo.

Isso pode afetar a capacidade de Dilma mediar o conflito interno da Venezuela, por exemplo, ou assumir a liderança em temas internacionais mais complexos. Como ela vai iniciar uma conversa global sobre qualquer assunto mais espinhoso se há dúvidas sobre se estará no poder em um ano para acompanhar esse processo? (bbc.co.uk)

por d

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA