Ataques ao PS endurecem. Fundadores dão empurrão à campanha

(Foto: PEDRO NUNES/LUSA)
(Foto: PEDRO NUNES/LUSA)
(Foto: PEDRO NUNES/LUSA)

Francisco Louçã, Fernando Rosas e Luís Fazenda juntam-se ao maior almoço-comício da história do BE. Catarina Martins, porta-voz bloquista, corrosiva com as indefinições dos socialistas.

Foi a própria Catarina Martins a confirmar aquilo que nas hostes do Bloco de Esquerda (BE) já se dizia há alguns dias: o almoço-comício de ontem no Pavilhão Atlântico, em Lisboa, foi o “maior que o Bloco alguma vez organizou”. Distribuídas por mesas redondas de 12 lugares, mais de duas mil pessoas foram dar força a uma campanha que a cada dia que passa tem mais oxigénio.

As notícias da morte do BE pareceram manifestamente exageradas e na histórica reunião de tropas de ontem até os fundadores estiveram presentes. Fernando Rosas chegou já com a porta-voz do BE na sala, Luís Fazenda fez-se acompanhar de toda a família, mas Francisco Louçã reclamou para si a maior dose de protagonismo.

Ainda a sopa não estava a ser servida e o antigo coordenador dos bloquistas fazia uma radiografia à situação do partido. “O BE conseguiu relançar-se, renascer, reconstruir a sua base, ser mais forte, mais amplo, ouvir mais as pessoas, e isso é a prova de que a esquerda está na luta”, observou de sorriso estampado no rosto, vincando que espera um resultado “muito forte” nas eleições do próximo domingo, que “ajude a vencer a direita” – sem estabelecer, contudo, uma fasquia satisfatória.

Reconhecendo que o Bloco atravessou momentos amargos nos últimos anos, Louçã defendeu que “um partido aprende sempre com a vida” e que não há ninguém que “tenha sempre dias de sol”. Porém, notou, que o BE soube sarar as feridas e que Catarina Martins demonstrou nos debates televisivos que “havia gente extraordinária e preparadíssima”, disponível para construir uma alternativa, apontando Mariana Mortágua e Marisa Matias como exemplos.

Quanto a entendimentos com o PS, Louçã não se afastou daquele que tem sido o discurso da sua sucessora na liderança do BE. “Não está a ver a esquerda a defender os despedimentos facilitados? Não está a ver a esquerda a defender que se corte a pensões por um bolso ou por outro?”, questionou à frente do palco antes das intervenções do dia, afinando pelo mesmo diapasão que Catarina Martins. E reforçou a tese ao salientar que é “tão cansativo ouvir políticos falar do seu próprio poder”, ao invés daquilo que “querem para o país”.

Estava dado o empurrão de que Catarina nem tem precisado, mas a porta-voz do BE aproveitou o comício para juntar mais pólvora aos ataques que tem feito a António Costa. Uma frase sintetiza o discurso mais longo (40 minutos) desde que a caravana bloquista está na estrada: “O PS é a desilusão destas eleições.”

Isto porque, acrescentou, o PS tem estado “aflito a pedir a maioria absoluta para um programa que não consegue explicar” e ainda que os eleitores não conseguem perceber “como é que a sua austeridade se distingue” da austeridade praticada por PSD e CDS. Na mesma toada, Catarina suscitou um outro fantasma: Bruxelas. Ou, melhor, Berlim. Isto porque interrogou com quem António Costa “já fez compromissos” – falou da chanceler alemã Angela Merkel -, de forma que esteja impossibilitado de os alcançar com o Bloco.

Sobre Pedro Passos Coelho e Paulo Portas as palavras também não foram meigas. Apelidou o governo de ter sido o mais “extremista e ideológico” em 40 anos de democracia e recuperou uma farpa do primeiro-ministro para a devolver em seguida. “Extremismo, caro Passos Coelho? O consenso social mais alargado numa democracia é a Constituição. Extremismo é ter governado quatro anos contra a lei mais fundamental do Estado”, rematou.

Concluídas as intervenções, e com bandeiras de várias cores, mais de mil dos presentes deixaram para trás o Pavilhão Atlântico. Pela marginal do Parque das Nações, Catarina encabeçou durante 45 minutos aquela que foi descrita como “a maior arruada da história do BE”. (dn.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA