Associação quer impor afiliação a todos os empresários

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

Associação de Hotéis e Resorts de Angola, apresentada hoje oficialmente, garante que quem não integrar a entidade pode vir a perder licença de actividade. Turismo gerou receitas de 500 milhões USD em 2014.

A recém-criada Associação dos Hotéis e Resorts de Angola (AHRA) quer todas as empresas do sector como associadas, revelou o coordenador da comissão instaladora. Armindo César, que falava, terça-feira, numa conferência de imprensa de apresentação da entidade, garantiu que aqueles que não integrarem as AHRA enfrentarão dificuldades nas suas actividades.

“Quem não fizer parte da AHRA poderá sofrer graves consequências. Por exemplo, quem quiser construir um hotel no futuro e não tiver as quotas em dia terá como pena a perda de licença de construção e alvará”, enfatizou. Segundo o gestor, a associação, que vai ser hoje apresentada oficialmente, visa a dinamização de investimentos no sector das infra-estruturas hoteleiras. “A AHRA prevê impor aos seus associados um código de ética com vista ao respeito pelos clientes, à prestação de serviços de qualidade e à prática de preços que sejam adequados ao nível qualitativo dos serviços prestados”, adiantou.

O gestor sublinhou: “Se o sector começar a ser dinamizado entre os proprietários de hotéis e as instituições do Estado, [e for] acompanhado de serviços de qualidade, poderemos arrecadar uma receita na ordem de 3 mil milhões USD (380 mil milhões Kz) por ano” – cerca de seis vezes o valor de 2014. A AHRA foi criada por iniciativa de um grupo de mais de 300 empresários, nomeadamente proprietários de hotéis e resorts, mas tem como meta chegar aos 500 associados num período de cinco anos.

Estado do sector hoteleiro em 2014

Entretanto, dados estatísticos do Anuário do Turismo de Angola, apresentado nesta semana, indicam que cerca de um milhão de angolanos utilizou hotéis no País em 2014, ano em que 594 mil turistas estrangeiros visitaram o País.

Segundo o director do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério da Hotelaria e Turismo, Januário Marra, que apresentou o documento, o turismo interno está cada vez mais valorizado pelo número elevado de angolanos que se alojam nas unidades hoteleiras do País, ao contrário do que acontece com os estrangeiros.

Na ocasião, o secretário de Estado do Turismo, Varo Kaputo, disse que o turismo interno é já uma realidade, pois muitas províncias são tidas como destinos turísticos, tendo elevada procura do mercado. “Apesar da actual conjuntura financeira, o Executivo vai continuar com o programa de reconstrução nacional, no sentido de facilitar a viabilidade de investimentos e infra-estruturas de apoio ao sector da hotelaria e turismo”, disse.

O secretário de Estado indicou que Angola dispõe de 14.143 quartos e 18.245 camas, e revelou que o sector dá emprego a cerca de 212 mil pessoas. O turismo, disse, gerou receitas avaliadas em 500 milhões USD (cerca de 63 mil milhões Kz) em 2014.

Angola tem actualmente cerca de 182 hotéis, prevendo-se, no curto prazo, a criação de mais 52. Quanto a aldeamentos turísticos e aparthotéis, o País conta com 600 empreendimentos. (expansao.ao)

Por: Eunice Sebastião

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA