Arábia Saudita aprova acordo nuclear com Irão após reunião com Obama

Rei Salman, da Arábia Saudita, se reúne com o presidente norte-americano, Barack Obama, na Casa Branca, em Washington, nesta sexta-feira. 04/09/2015 (REUTERS/Gary Cameron)
Rei Salman, da Arábia Saudita, se reúne com o presidente norte-americano, Barack Obama, na Casa Branca, em Washington, nesta sexta-feira. 04/09/2015 (REUTERS/Gary Cameron)
Rei Salman, da Arábia Saudita, se reúne com o presidente norte-americano, Barack Obama, na Casa Branca, em Washington, nesta sexta-feira. 04/09/2015 (REUTERS/Gary Cameron)

A Arábia Saudita está satisfeita com as garantias dadas pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, sobre o acordo nuclear com o Irão e acredita que o entendimento vai contribuir para a segurança e a estabilidade do Médio Oriente, disse o ministro das Relações Exteriores saudita nesta sexta-feira.

Ao falar após uma reunião na Casa Branca entre Obama e o rei saudita Salman, o ministro das Relações Exteriores Adel al-Jubeir disse que o presidente norte-americano assegurou ao monarca que o acordo impede que o Irão consiga uma arma nuclear, prevendo para isso inspecções das instalações militares e locais suspeitos e o retorno imediato das sanções caso os iranianos violem os termos do entendimento.

O Irão e outras seis potências mundiais, incluindo os EUA, negociaram um acordo em Julho que retira as sanções económicas contra o país em troca de limitações ao seu programa nuclear.

“O Reino da Arábia Saudita ficou satisfeito com essas garantias após ter passado os últimos dois meses a consultar nossos aliados”, disse Al-Jubeir. “Acreditamos que esse acordo vai contribuir para a segurança e a estabilidade da nossa região.”

A Arábia Saudita espera que os iranianos usem qualquer renda adicional decorrente da retirada das sanções para financiar o desenvolvimento interno, em vez de engajar os seus recursos em actividades perversas, disse Al-Jubeir.

Arábia Saudita e Irão opõem-se em uma série de questões regionais, incluindo os conflitos na Síria e no Iémen.

Obama e Salman também conversaram sobre a ameaça do Estado Islâmico no Iraque e na Síria e a situação política nesses países, acrescentou Al-Jubeir. (swissinfo.ch)

por Yeganeh Torbati

reuters_tickers

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA