Angola perde com Egipto

Basquetebol Feminino Angolan (D.R)
Basquetebol Feminino Angolan (D.R)
Basquetebol Feminino Angolan (D.R)

Angola defronta hoje, a partir das 16h45 minutos, no Pavilhão de Yaoundé, Camarões, a congénere da Guiné Conakry, em partida referente à quinta e última jornada do Grupo B da fase preliminar da 24ª edição do Campeonato Africano das Nações (Afrobasket), prova selectiva aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro,  em 2016.

Depois de ter perdido ontem por um ponto  (52-53), as bicampeãs africanas comandadas tecnicamente por Jaime Covilhã, vão procurar hoje regressar aos triunfos, ante um adversário que surpreendeu na véspera a selecção da Argélia, a quem venceu por 67-66. Para o desafio desta tarde, o combinado nacional procura o tricampeonato africano e, consequentemente, a segunda presença em Jogos Olímpicos, depois da estreia em 2012, em Londres, Inglaterra, apresenta-se como principal favorito à conquista dos dois pontos em disputa.

Mas o favoritismo a Selecção Nacional vai ter de demonstrar na quadra. Esta manhã, Jaime Covilhã vai realizar um ligeiro treino, para corrigir os aspectos que não estiveram bem na derrota com o Egipto. A ineficácia, nos lançamentos à longa distância, continua a preocupar a equipa técnica que acredita que o cinco nacional pode melhorar nas próximas partidas a percentagem.

Egipto e Senegal centralizam hoje, a partir das 11h45, as atenções da última jornada do Grupo B da fase preliminar da 24ª edição do Afrobasket, num prélio de difícil prognóstico, a julgar pela qualidade dos dois plantéis. A Argélia recebe a partir das 14h00, a similar da Nigéria. Para o Grupo A, o Uganda defronta, a partir das 9h30 a congénere do Mali, a África do Sul  joga com os Camarões, a partir das 18h30 minutos, ao passo que no fecho da jornada cinco, o Gabão vai enfrentar a selecção de Moçambique, a partir das 20h45.
M.C

Bicampeãs africanas tropeçam

A Selecção Nacional de basquetebol sénior feminina viu quebrar o ciclo de vitórias na 24ª edição do Campeonato Africano das Nações, vulgo Afrobasket, ao perder ontem no Pavilhão de Yaoundé, Camarões, com a similar do Egipto, por 52-53, em partida referente à quarta jornada do Grupo B da fase preliminar da aludida competição. Ao intervalo, as suas selecções encontravam-se igualadas a 27 pontos

Apesar do triunfo, as egípcias sentiram imensas dificuldades para levar de vencida as angolanas, principalmente, nos dois primeiros períodos.
Depois de perder  na ronda três, frente a Nigéria, por 68-97, a selecção do Egipto mais possante,  em termos de altura, entrou determinada, fundamentalmente, nos minutos iniciais da partida, tendo feito um parcial de 12-4. A partir do minuto seis, as pupilos de Jaime Covilhã melhoraram significativamente a defesa e igualaram a 16 pontos nos primeiros dez minutos.

No segundo período, houve uma quebra em termos de produtividade, fruto do rigor defensivo evidenciado pelas duas selecções, que terminaram ambas com apenas 11 pontos, perfazendo uma igualdade de 27 pontos. A ineficácia nos lançamentos à longa distância, permitiu a selecção do Egipto terminar o terceiro período, com uma vantagem de quatro pontos (38-42).

As egípcias superiorizaram-se no terceiro quarto, fruto da apatia quer defensiva, quer ofensiva das bicampeãs africanas. Neste etapa, as angolanas conseguiram 11 pontos, contra 15 das egípcias. Entretanto, no quarto derradeiro, a Selecção Nacional tentou evidenciar o basquetebol que lhe é característico, mas a predisposição das egípcias que foram eficientes nos lançamentos à longa distância, acabou por determinar o triunfo do Egipto, por 53-52.

A perder por um ponto (52-53), quando restavam 17 segundos para terminar a partida, a Selecção Nacional não conseguiu violar a cesta da opositora que festejou de forma efusiva a vitória frente as bicampeãs africanas. O combinado nacional conseguiu um parcial de 14-11, números que foram insuficientes para anulara a vantagem do Egipto. A egípcia Menatalla Awad foi a cestinha da partida, com 16 pontos, seguida da angolana Nadir Manuel, com nove pontos. Nadir foi ainda a rainha dos ressaltos, com 11, contra dez da Awad. A base Isabel Francisco terminou a partida com três assistência, contra cinco da Soraia Deghad.

Ainda ontem, para o Grupo B, a Guiné Conakry surpreendeu a Argélia, a quem venceu por 67-66, em partida referente à quarta jornada da fase preliminar da 24ª edição do Campeonato Africano das Nações da “bola ao cesto”. Já para o Grupo A, a selecção do Uganda venceu a congénere da África do Sul, por 55-43, num prélio onde as ugandesas foram superiores em todos os aspectos.

ABERTURA
Benfica conquista
Troféu António Pratas

A abrir a nova época, da mesma forma como fechou a última, o tetracampeão português,  Benfica, conquistou domingo a primeira competição da temporada e o seu quarto Troféu António Pratas, prova concluída em São Pedro do Sul. A vitória (76-48) na final frente à Oliveirense começou a ser desenhada logo no primeiro período, com um parcial (22-12) que pôs o elo mais fraco a correr sempre atrás do prejuízo até final do jogo.

Com uma defesa coesa e um ataque demolidor, as águias cedo se destacaram, com o extremo Carlos Andrade (10 p) em evidência nas jogadas em penetração. João Soares e Tomás Barroso também atingiram os dois dígitos. Quanto ao irrequieto Jeremiah Wilson, demonstrou que é um jogador acima da média, não só na luta corpo a corpo, como na mestria como  lança a bola ao cesto, alcançou um duplo -duplo (15 p; 12 r; 2 a).

A Oliveirense lutou como pôde, mas abusou do tiro exterior, onde foi perdulária (16,7 por cento contra 45,8 por cento). Excepção feita ao base João Abreu (9 p), o mais esclarecido da turma de Oliveira de Azeméis, que manteve a distância até ao intervalo (30-43). No regresso, o Benfica imprimiu ainda maior intensidade defensiva e secou o adversário, que esteve mais de sete minutos sem marcar.

A desvantagem foi-se avolumando para números impossíveis de recuperar, num triunfo incontestado do Benfica. Carlos Lisboa, treinador da equipa da Luz, ficou satisfeito. “Esta equipa joga sempre para ganhar e é importante vencer este título no início da época”, referiu e  disse, no entanto, que as águias foram “algo confusas ofensivamente”,disse. (jornaldosdesportos.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA