Alunos da Damba com melhores condições

(Foto: Mavitidi Mulaza|Uíge)
(Foto: Mavitidi Mulaza|Uíge)
(Foto: Mavitidi Mulaza|Uíge)

Milhares de crianças do município da Damba vão, a partir do próximo ano lectivo, ter acesso fácil ao sistema de ensino, com a entrada em funcionamento de mais três  escolas, sendo uma do ensino primário e duas do I e II ciclos do ensino secundário, disse ontem o ministro da Educação.

A imponente estrutura, construída para acolher alunos do I e II ciclos do ensino secundário, marca uma nova era no processo do ensino e aprendizagem na região. Com 19 sala de aulas, a escola possui ainda laboratórios de física, química, biologia e informática básica, e multimédia.O estabelecimento de ensino tem uma biblioteca, reprografia, gabinetes de investigação, salas para reuniões e de professores, campo multiusos, refeitório, lavandaria, cozinha, residências para o corpo directivo, enfermaria, central térmica e internato para 128 alunos.

Com capacidade para acolher 1.710 alunos em dois turnos, a instituição, baptizada com o nome “Namputu”, em homenagem ao  herói que comandou um  movimento de resistência contra a ocupação colonial na região, vai ministrar cursos de energias renováveis, minas, geologia aplicada e instalações eléctricas.

O ministro da Educação, Pinda Simão, destacou a importância da infra-estrutura, que além de garantir oportunidades para a formação técnico-profissional dos jovens residentes na vila da Damba permite receber estudantes provenientes das comunas do Nsosso, Lêmbua, Nkusso Pete e de outros pontos da província e do país.

Pinda Simão reconheceu a importância da construção do estabelecimento de ensino, ao referir que com este investimento vai haver mais quadros técnicos e profissionais para o   desenvolvimento da província. O governador provincial do Uíge, Paulo Pombolo, anunciou a inclusão, em 2017, de novos cursos a serem ministrados na escola, como o de mecânica e o de construção civil.

A Escola de Formação de Professores está localizado no bairro Tange, arredores da cidade no Uíge.
O ministro Pinda Simão inaugurou no sábado a escola General Pedro Benga Lima “Foguetão”, com 27 salas de aulas, para formar professores para o ensino primário e do I ciclo do ensino secundário.

A escola vai funcionar em dois turnos  e tem capacidade para acolher mais de 2.500 alunos da 7.ª à 12.ª classe. A infra-estrutura possui uma sala de informática, três laboratórios e uma biblioteca.  O ministro da Educação pretende uma boa formação de professores que   contribua para uma maior qualidade no sistema de ensino “Queremos que os futuros docentes estejam bem cientificamente e tecnicamente para os desafios do sector.”

O governador provincial, Paulo Pombolo, garantiu que a escola vai   formar professores com   perfil diferente daqueles que actuam em algumas comunidades da província.  “A província quer formar quadros capazes que contribuam para a melhoria do ensino.”

Isabel Lima, filha do general Pedro Benga Lima “Foguetão”, em nome da família, expressou agradecimentos ao Executivo pelo reconhecimento dos feitos daquele que foi um valoroso combatente na Luta de Libertação Nacional.

“A atribuição do nome do meu pai a esta imponente infra-estrutura escolar, numa altura em que o país comemora 40 anos de Independência Nacional, representa os ganhos da luta dos guerreiros que se bateram pela Independência do país.”

As crianças com idade para frequentar o ensino primário, na Zona Três do bairro Caquiuia, conhecido por “GAI”, arredores da cidade do Uíge, beneficiam, a partir de ontem, de uma escola com 12 salas de aulas, que vai albergar 2.500 alunos em 2016. (jornaldeangola.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA