África do Sul: Dois moçambicanos condenados a 11 anos de prisão por caça furtiva

BANDEIRA DA ÁFRICA DO SUL (Foto: Angop)

Joanesburgo – Dois moçambicanos que se acredita que se tenham introduzido no Kruger Park, na fronteira entre Moçambique e África do Sul, para caça ilegal de rinocerontes, foram condenados, segunda-feira , a uma pena de 11 anos de prisão, noticia nesta sexta-feira a AIM.

BANDEIRA DA ÁFRICA DO SUL (Foto: Angop)
BANDEIRA DA ÁFRICA DO SUL (Foto: Angop)

Trata-se de Phinias Sithole, de 23 anos, e France Nkuna, 22 anos, cuja pena de prisão foi pronunciada pelo Tribunal de White River, em Nelspruit, capital de Mpumalanga.

O Brigadeiro da Polícia sul-africana, Vishnu Naidoo, disse que Sithole e Nkuna foram interceptados a 27 de Outubro de 2014 por guardas daquela reserva de animais, na posse de armas de fogo e um machado.

A fonte explicou que os dois moçambicanos foram acusados de posse ilegal de arma e munições e de trespasse.

“Foram sentenciados a cinco anos de prisão pela posse ilegal de arma, outros cinco anos pela posse ilegal de munições e um ano pelo trespasse, totalizando assim 11 anos para cada um”, de acordo com Naidoo.

“Esta medida vai servir de exemplo para outros que tentarem praticar caça ilegal. Eles sempre irão cair nas malhas dos guardas desta reserva, mesmos antes de cometer o crime”, explicou.

Naidoo confirmou que 749 rinocerontes foram abatidos, este ano, na África do Sul, dos quais 544 na reserva do Kruger Park. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA