Administrador da Ingombota defende aliança forte com a sociedade civil

DISTRITO DA INGOMBOTA (Foto: Angop)

O administrador do distrito urbano da Ingombota, em Luanda, Lobato Neto, defende a promoção de alianças fortes com a sociedade civil, para encontrar as soluções junto dos munícipes, devendo, por isso, os membros da administração demonstrar iniciativas e criatividade na resolução dos problemas locais.

DISTRITO DA INGOMBOTA (Foto: Angop)
DISTRITO DA INGOMBOTA (Foto: Angop)

O responsável que falava quarta-feira na abertura do Conselho de Auscultação e Concertação Social,  disse que a aliança deve ser feita  principalmente com as associações, organizações não-governamentais, igrejas e entidades tradicionais, assim como motivar os munícipes, através das comissões de moradores, a participar na resolução dos problemas do saneamento básico.

O administrador reconheceu, no entanto, a eficácia da Unidade Técnica local e empresas de recolha de resíduos sólidos que tem permitido a diminuição dos amontoados de lixo na circunscrição.

Falou da necessidade de maior cooperação com a Polícia Nacional para identificar e responsabilizar os que danificam bens públicos, como a iluminação pública, cabos eléctricos, chafarizes, demolição de muros e sujam as paredes.

Durante o encontro foram recolhidas  propostas para as acções sociais a serem desenvolvidas no período 2016/17,  bem como aspectos relacionados com a sinalização no distrito, distribuição de água e de energia eléctrica, rupturas e soluções, reabilitação de estradas e avenidas, reparação de avarias e soluções provisórias.

Os Conselhos de Auscultação e Concertação Social são órgãos de consulta dos administradores municipais em relação às questões prementes da vida das populações, com vista a promoção no país de um desenvolvimento equilibrado.

Participaram no encontro os administradores adjuntos, de bairros, chefes de repartição, presidentes das comissões de moradores e de organizações não governamentais, representantes de partidos políticos e líderes religiosos.

O distrito  tem 13  km² e cerca de 400 mil habitantes e é limitado a Oeste com o Oceano Atlântico, a Norte com o distrito do Sambizanga, a Este o Rangel e a Sul com a Maianga.

O distrito é composto pelos  bairros da Ingombota (sede), Maculusso, Patrice Lumumba, Ilha do Cabo e Kinanga e diariamente em dias úteis circulam mais de dois milhões de cidadãos para trabalhar e a procura de outros serviços.

Na chamada zona baixa da cidade de Luanda esta localizado o maior centro político e administrativo do país. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA