‘Troquei luxo por segurança’: a vida da elite brasileira na Flórida

Newton Azevedo vive com a família em Winter Garden desde 2014 (DR)
Newton Azevedo vive com a família em Winter Garden desde 2014  (DR)
Newton Azevedo vive com a família em Winter Garden desde 2014 (DR)

No Brasil eles pertenciam ao topo da pirâmide social: ganhavam bem, moravam nos melhores bairros, tinham mais de um empregado em casa. Mas abriram mão da posição para viver como imigrantes nos Estados Unidos.

A BBC Brasil visitou três casas de brasileiros que se mudaram para o Estado da Flórida desde o ano passado. Em comum, todos dizem que migraram por causa da violência no Brasil e que tiveram de baixar o padrão de vida no novo país.

“Tive dois amigos assassinados em assalto”, diz o advogado e juiz aposentado Newton Azevedo, 69 anos, que trocou uma casa com sete suítes de frente para o mar no litoral paulista por uma residência com três quartos perto de Orlando.

Sua casa no Brasil “tinha vários empregados fixos”; hoje, conta com os serviços de um casal de faxineiros uma vez por mês. “Os custos aqui são elevadíssimos, então tivemos de nos adaptar.”

Azevedo e a esposa, Rose, se mudaram em julho de 2014 para Winter Garden com a filha, o genro e os dois netos, que moram em outra casa no mesmo condomínio.

Diferentemente de muitos brasileiros que vivem nos Estados Unidos, os imigrantes entrevistados foram recebido de braços abertos pelas autoridades americanas e não têm planos de voltar.

Para estar ali, cada família teve de investir parte de seu patrimônio em negócios locais.

“Como nos anos 1990, há uma nova onda de migração do Brasil para os Estados Unidos”, diz a advogada brasileira Renata Castro, que atende imigrantes na Flórida há 13 anos. Ela remonta o início do fluxo atual ao segundo semestre de 2014, quando Dilma Rousseff se reelegeu e crise econômica se intensificou.

Castro diz, contudo, que a leva atual é composta por imigrantes mais ricos e qualificados que os vindos nas décadas passadas.

“Existe uma clara mudança no perfil. Muitos brasileiros com recursos têm nos procurado para saber como podem migrar legalmente, interessados nas vantagens que a legislação migratória americana oferece ao grupo”.

Visto de investidor

Azevedo e a esposa receberam um visto EB-5, que exige um investimento mínimo de US$ 500 mil (R$ 1,8 milhão) e que gere ao menos dez empregos fixos em áreas rurais ou com desemprego alto dos Estados Unidos.

A filha e o genro do casal investiram outros US$ 500 mil para obter o mesmo visto, estendido também a seus filhos. A família aplicou num fundo de investimentos de um hospital.

O governo americano criou esse tipo de visto para atrair estrangeiros ricos e estimular a economia.

Também é possível conseguir a autorização para residir nos Estados Unidos investindo em negócios próprios.

Ex-funcionário da Deloitte, uma das maiores consultorias globais, o paulistano Marcos Vinicius Liberato, 29 anos, chegou a Boca Raton (a 70 km de Miami) há 50 dias para abrir uma creche com um sócio.

“Quando você vai empreender no Brasil, tem ‘n’ fatores que vão contra você ter sucesso. Esse cenário fez com que eu pensasse: ‘poxa, já que vou começar algo novo, por que não lá?'”, ele diz.

Liberato, que também tem cidadania italiana, pedirá um visto E-2. O visto não exige um investimento mínimo, mas só é concedido a brasileiros que também sejam cidadãos de países que mantenham um acordo específico com os Estados Unidos, entre os quais Itália, Espanha, Alemanha e Japão.

Seu sócio no empreendimento – o amigo de infância Leandro Maia, de 33 anos – investirá US$ 500 mil para conseguir o EB-5.

Dono de um restaurante de comida espanhola em São Paulo, Maia diz ter decidido se mudar para os Estados Unidos quando, há um ano e meio, foi alvo de dois disparos num assalto na capital paulista.

Leia mais: Imigrantes brasileiros fogem de crise e voltam ao Reino Unido

Na época, a esposa dele estava grávida da primeira filha, hoje com um ano e oito meses.

Ele, a mulher, a filha e o sócio estão temporariamente hospedados na casa de férias dos pais de Maia. Desde que chegaram, os dois têm trabalhado do amanhecer até tarde da noite à procura de um local para abrir a creche. O começo, dizem eles, tem sido difícil.

“Já tomamos dois baldes de água fria. Às vezes nos perguntamos: ‘Será? Vale a pena?’ Mas acredito que, com o trabalho feito de forma séria, você consegue”, diz Liberato.

Leandro Maia (esq.) e Marcos Vinicius Liberato estão abrindo uma creche nos EUA  (DR)
Leandro Maia (esq.) e Marcos Vinicius Liberato estão abrindo uma creche nos EUA (DR)

A cidade menos americana dos EUA’

Em Miami há pouco mais de um ano, a ex-modelo Karmel Portoleti e seu marido, Renato Mendonça, dizem já se sentir em casa.

Pais de três filhos, eles abriram um salão de design de sobrancelhas em South Beach, um dos mais badalados bairros da cidade, e planejam expandir a operação.

A maioria dos clientes são turistas e residentes latinas, entre as quais muitas brasileiras.

Mendonça tem no Brasil uma confecção de roupas e obteve um visto L-1, que permite a empresas estrangeiras enviar funcionários aos Estados Unidos para abrir uma operação no país.

“Miami é a cidade menos americana dos Estados Unidos – uma cidade muito latina, com uma mistura muito grande de brasileiros, colombianos, venezuelanos, haitianos, russos… Isso facilitou a nossa adaptação”, ele afirma.

O empresário também diz que a violência foi o principal motivo para deixar o Brasil.

“Não queria continuar achando normal andar de carro blindado”.

Hoje, ele diz não ter “a mínima vontade de voltar, nem a passeio”. (bbc.co.uk)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA