Transmissão de dados vai ser cinco vezes mais rápida em 2017

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

Primeira fase do projecto do SACS liga Fortaleza e Miami e está concluída em 2016. Em 2017, Angola e Brasil estarão ligados.

A Angola Cables e a prefeitura de Fortaleza assinaram na semana passada na cidade do Nordeste do Brasil um acordo sobre o cabo submarino que vai ligar Luanda à capital do Ceará, permitindo a transmissão de dados a uma velocidade cinco vezes superior à actual.

O South Atlantic Cable System (SACS), projecto que envolve um investimento de cerca de 300 milhões USD financiados pela empresa angolana, é o primeiro cabo submarino de telecomunicações instalado no Atlântico Sul a ligar África à América do Sul, tendo uma extensão de 6.165 km. Segundo António Nunes, CEO da Angola Cables, as obras físicas já começaram, com preparação dos canais submarinos por onde passarão os cabos.

A primeira etapa do projecto, com a ligação entre Fortaleza e Miami, deverá ficar pronta no final do próximo ano, e a segunda fase, que completará a ligação até Luanda, deve ser concluída em 2017, afirmou, em Fortaleza. O projecto envolve ainda a construção de um data center num terreno cedido pela prefeitura de Fortaleza, e a da construção da estação de cabos submarinos que vai acolher, entre outros, SACS.

A Angola Cables vai também criar infra-estruturas submarinas para garantir a extensão da rede à cidade de São Paulo e aos EUA. Com o cabo, a velocidade de transmissão de dados entre Angola e o Brasil será cerca de cinco vezes mais rápida. Segundo António Nunes, “hoje, uma ligação entre Brasil e Angola leva 300 milissegundos. Com o cabo, levará 60 milissegundos. É mais rápido que um piscar de olhos”. (expansao.ao)

Por: Sita Sebastião

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA