Sociedade chamada a participar no combate à prostituição

REVERENDO DINIS EURICO, PRESIDENTE DA IESA (Foto: Angop)

O presidente da Igreja Evangélica Sinodal de Angola (IESA), reverendo Diniz Eurico, apelou nesta terça- feira, em Luanda, a sociedade, principalmente as famílias, a comparticipar no combate à prostituição e a delinquência juvenil.

REVERENDO DINIS EURICO, PRESIDENTE DA IESA (Foto: Angop)
REVERENDO DINIS EURICO, PRESIDENTE DA IESA (Foto: Angop)

Em declarações à Angop, o líder religioso sugeriu como uma das possíveis saídas para afastar a juventude da prostituição e da delinquência um melhor acompanhamento no seio familiar, bem como o seu enquadramento em acções de formação profissional, para a sua inserção no mercado de trabalho.

Ao falar sobre as consequências que estas práticas podem trazer, referiu que as mulheres que praticam a prostituição correm o risco de

contrair o VIH/Sida ou outras doenças sexualmente transmissíveis e gravidez indesejada.

A prostituição no país não consta das profissões reconhecidas legalmente. A sua prática é ilegal, disse o reverendo Diniz Eurico, por isso, as mulheres que assim procedem não têm acompanhamento médico permanente.

“Deus apenas reconhece o casamento monogâmico. A monogamia é o princípio de Deus: um homem e uma mulher”, defendeu.

Acrescentou que há realmente coisas que o têm preocupado por causa da prostituição, aconselhando que cada mulher tenha o seu próprio marido e cada homem tenha uma só parceira.

“A prostituição é condenável diante de Deus, porque quando Deus fez o homem e a mulher dizendo que estarão juntos até que a morte os separe, não fez duas ou três mulheres para Adão, mas apenas uma, logo, a partir deste pressuposto, Deus não aprova o envolvimento extraconjugal”, explicou.

O reverendo Diniz Eurico afirmou que o desemprego constitui uma das causas da delinquência juvenil.

Salientou que a carência de bens económicos é também um dos grandes factores que leva os jovens a terem comportamentos agressivos e de as mulheres se prostituírem.

No entender do reverendo Diniz Eurico, o que a juventude mais anseia é a obtenção do primeiro emprego e quando não consegue opta pela vida mais fácil, assente na delinquência através de furtos e roubos.

Neste sentido, apelou às famílias a educarem os jovens e a impedir que estes enveredem por práticas socialmente condenáveis.

Realçou que a falta de boas referências no seio familiar leva os jovens a seguir exemplos vindos de fora, muitas vezes desviantes e que não contribuem para o seu desenvolvimento intelectual, daí a necessidade da mudança de postura dos pais.

Lembrou que quanto mais distanciados os pais estiverem, maior é a probabilidade de os filhos enveredarem por práticas destrutivas, por isso, urge às famílias unirem-se cada vez mais e primar pelo diálogo, para permitir incutir nos jovens ideias tendentes à construção de uma nação próspera.

Com sede em Luanda, a IESA foi fundada em 1897 e está representada nos continentes africano, europeu e americano. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA