Saldo da crise angolana: Exportações portuguesas afundam 25%

Nova marginal de Luanda (Foto: D.R.)
Nova marginal de Luanda (Foto: D.R.)
Nova marginal de Luanda
(Foto: D.R.)

Com o petróleo abaixo dos 50 dólares por barril, a economia angolana continua sentir as dificuldades de uma economia muito dependente do “ouro negro”. Relação comercial com Portugal está profundamente degradada no primeiro semestre de 2015.

A crise angolana, relacionada com a queda significativa do preço do petróleo, está a ter um impacto profundo no comércio com Portugal. Nos primeiros seis meses do ano, as exportações estão a cair 25% e as importações 21%.

Foi mais um mês terrível para as vendas a Angola. Segundo os dados publicados hoje, 10 de Agosto, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a saída de bens caiu 28%, marcando o sexto mês consecutivo de quebras e o quinto em que a contracção é superior a 26%. No total dos primeiros seis meses do ano, as exportações para Angola estão a afundar mais de 25%.

Mas não são apenas as vendas. Toda a relação comercial com Angola parece ter sido afectada. Basta olhar para os valores das importações que registam ainda uma diminuição acumulada de 21%. Isto apesar de quatro meses de crescimento entre Março e Junho, com o último mês a atingir os 138%.

Feitas as contas, o saldo comercial – que superava os 600 milhões de euros em 2014 – está a cair 32% para ligeiramente acima dos 410 milhões.

Por trás da degradação da relação comercial entre os dois países está a crise que Angola atravessa, motivada pela queda do preço do petróleo nos mercados internacionais. Com a economia angolana muito dependente da venda de combustíveis, ter o petróleo abaixo de 50 dólares o barril, coloca uma enorme pressão sobre as suas receitas, limitando a sua capacidade de comprar, por exemplo, a Portugal. Ao mesmo tempo, o petróleo mais barato torna as suas exportações menos valiosas (a que se junta ainda a desvalorização do kwanza). (jornaldenegocios.pt)

DEIXE UMA RESPOSTA