Partido FNLA apresenta representante no distrito urbano do Rangel

BANDEIRA DA FNLA (Foto: Angop)

O secretariado provincial de Luanda da Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) apresentou hoje, quinta-feira, nesta cidade, a sua nova representante no distrito urbano do Rangel, Lídia António Fulu, para que seja integrada no Conselho de auscultação Social local.

BANDEIRA DA FNLA (Foto: Angop)
BANDEIRA DA FNLA (Foto: Angop)

A delegação chefiada pela sua primeira secretária provincial, Maria da Conceição Boaventura, foi recebida pelo administrador do distrito urbano do Rangel, Manuel Marta, que passou algumas explicações sobre o funcionamento da estrutura governativa na zona.

De acordo com Maria da Conceição Boaventura, era necessário conhecer as estruturas da administração e pedir o ingresso da secretária da FNLA, do distrito urbano do Rangel, no Conselho de Auscultação Social  para colaborar com administração local do Estado, sempre que possível.

Quanto ao funcionamento da administração, depois da visita guiada nas repartições que compõem as estruturas governativa na área, informou que sai com uma nova impressão sobre o trabalho efectuado no local.

“Apesar do momento menos bom que o país vive, com a baixa do preço do petróleo, o trabalho é visível, verificam-se algumas melhorias no atendimento da população, algo está a ser feito”, reconheceu.

Maria da Conceição Boaventura disse que existem muitos jovens disponíveis para trabalhar com o Executivo, na sensibilização de outros (jovens), para a redução do consumo de drogas e bebidas alcoólicas.

Acrescentou que estão também a formar equipas de sensibilização para convencer as vendedoras a comercializarem os seus produtos nos mercados construídos pelo estado, com condições excelentes para exercer a actividade mercantil.

Reconheceu que as mulheres que vendem em passeios e nas estradas colocam as suas vidas em perigo, por isso é preciso tomarem consciência para que deixem esta prática.

“ Se elas ficarem dentro dos mercados os compradores irão ao encontro das comerciantes para adquirirem o produto necessário, por este motivo, é importante que elas ocupem os lugares vagos, para a mudança da imagem da cidade capital”, concluiu a política. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA