Para onde vão os dólares?

Jonísio Salomão (DR)
Jonísio Salomão (DR)
Jonísio Salomão (DR)

Julgo ser a pergunta que não se quer calar. Aguardava-se por um pronunciamento contundente, alguém de direito, para explicar o que esta a passar no mercado cambial ultimamente no nosso pais.

O governador do Banco Nacional de Angola (BNA), José Pedro de Morais, esclareceu a Imprensa Nacional “ que tem havido um procura ilegítima de dólares”, invocou ainda que “quando nós praticarmos uma procura legítima não haverá falta de divisas” pronunciamento que nos levou a uma profunda reflexão, para onde vão os dólares que o BNA coloca no mercado formal através de leilões?

Importa salientar que, durante o 1º Semestre 2015 foram colocados no mercado interbancário USD 9.461,18 milhões aos bancos comerciais, comparativamente ao período homologo, cuja venda foi de USD 9.131,10 Milhões, registou-se uma variação positiva de 4%, durante o ano corrente a oferta de dólares foi superior.

Num cenário que, a oferta é maior comparativamente ao período homologo não se consegue perceber aonde vão os dólares que a economia tanto necessita. A ausência de divisas no sector bancário e casas de câmbio, está a levar empresas, famílias e restantes agentes económicos a situações conturbadas e constrangedoras, causando a redução de importação de bens diversos e matériais primas relevantes para a economia, e encerramento de muitas empresas.

O negócio dos dólares tornou –se ultimamente um dos mais lucrativos em Angola, incitando o aparecimento de diversos “players” com grande destaque, para os “kinguilas” que têm constituído praticamente a boia de salvação e a almofada de ar, quando se vê barrada a oferta de divisas no mercado formal.

Situação está que nos remete a seguinte indagação, quem alimenta o negócio dos kinguilas?

Em nossa opinião, a procura ilegítima, é causada pelos principais intervenientes do processo. Uma das primícias da gestão é a obtenção de lucros, quanto mais alto for melhor, caso queiramos compreender melhor, basta olharmos para os resultados positivos expressos em milhares e milhares de dólares que os bancos apresentaram no seus relatórios de 2014.

O BNA como autoridade máxima e monetária, dentro do seu papel de supervisor do sistema bancário, deve aprimorar os mecanismos de controle, por forma a garantir que os agentes económicos, principalmente as empresas e famílias não sejam os principais lesados neste processo, em detrimento do benefício de muitos intervenientes (players), e que os dólares que têm sido disponibilizados a banca comercial tenha a finalidade pela qual ela foi adquirida.

por Jonísio C. Salomão [1]

[1]Mestre em Administração de Empresas; Consultor Empresarial e Técnico Oficial de Contas.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA