O drama de imigrantes às portas na Europa ocidental

(REUTERS/Yannis Behrakis)
(REUTERS/Yannis Behrakis)
(REUTERS/Yannis Behrakis)

O problema dos imigrantes entre a Grécia, Macedónia, Turquia e Sérvia, está a preocupar a União europeia, já que a esmagadora maioria deles, querem entrar na Europa ocidental, fugindo à miséria e à guerra na Síria.

São mais de 5 mil imigrantes que entraram na Sérvia continuando a sua viagem para a Europa ocidental, após uma vã tentativa das forças macedónias, de os impedir, e entrar na Macedónia.

Completamente ultrapassados pelo fenómeno de refugiados, essencialmente, idos da Grécia a Macedónia afretou comboios e autocarros, para transportar os imigrantes, para o norte, após vários dias de caos, provocado pelo encerramento da sua fronteira sul pelas, forças de segurança, que fizeram uso de granadas e gás lacrimogéneo, para tentar impedi-los, de entrar no país.

O fluxo de migrantes é ininterrupto, pois, a Grécia, evacuou para a sua parte continental, os refugiados que tinham desembarcados, em grandes números, nalgumas ilhas, do Egeu.

O número recorde de imigrantes e migrantes, chegou à Grécia, por mar, no mês de Julho, idos, da Turquia.

Ainda na Grécia, um ferryboat, transportou, este domingo, cerca de 2.500 migrantes, que entraram nalgumas ilhas gregas, para o porto de Piréu.

A maioria deseja ir para a Macedónia, onde o governo, decretou, estado de emergência, na quinta-feira e encerrou a sua fronteira sul.

A Macedónia, que tem relações difíceis com a Grécia, acusa, Atenas, de estar a enviar, de propósito, esses imigrantes para o seu território.

Entretanto, o primeiro-ministro belga, Charles Michel, propôs, uma reunião de emergência, entre os ministros do Interior e dos Transportes, da Bélgica, França, Holanda e Alemanha.

Mas, antes, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o Presidente francês, François Hollande, discutirão, num encontro previsto, esta segunda-feira, 24 de Agosto, a questão da repartição dos migrantes nos países da União europeia. (rfi.fr)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA