Museu Regional da Huíla controla 300 peças etnográficas

Peças etnográficas recolhidas nas décadas de 1950/60 (D.R)

Lubango- O Museu Regional da Huíla controla actualmente, em exposição, 300 peças etnográficas recolhidas nas décadas de 1950/60, oriundas nas províncias da Huíla, Namibe, Cunene e Cuando Cubango, representando o quotidiano, as crenças, a tradição, os hábitos e costumes dos povos do sul do país.

Peças etnográficas recolhidas nas décadas de 1950/60 (D.R)
Peças etnográficas recolhidas nas décadas de 1950/60 (D.R)

Segundo a directora da instituição, Soraia Ferreira, em declarações à Angop, o Museu Regional da Huíla exerce um papel de guardião da história, das comunidades mais tradicionais das quatro regiões do país.

Afirmou que se tem feito uma manutenção preventiva das referidas peças etnográficas, evitando a sua degradação, bem como na perspectiva de servir a futura geração.

Soraia Ferreira adiantou que o museu tem desenvolvido um ciclo de formação técnico-profissional em matéria de catalogação, inventário, informática e uma série de informações sobre as peças etnográficas ali expostas, com o objectivo de facilitar o trabalho interno.

Relativamente ao crescimento de peças etnográficas, a responsável fez saber que está ainda condicionada pela falta de meios técnicos e de recursos humanos para a recolha de mais elementos para preencher o Museu Regional da Huíla.

A maior transformação ocorrida no Museu Regional da Huíla ao longo dos últimos anos está ligada ao seu estatuto orgânico, que foi aprovado em 2014 pelo decreto executivo número 5/14 de 8 de Janeiro.

O Museu Regional da Huíla foi fundado em 1957. Inicialmente com o nome Museu de Sá da Bandeira contava apenas  com duas exposições etnográficas portuguesas. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA